Andre Lessa/AE - 06/12/2011
Andre Lessa/AE - 06/12/2011

Empresário de Tite nega acusações e critica Andrés

Gilmar Veloz diz que foi pego de surpresa por presidente e que Tite não lhe passou orientações

AE, Agência Estado

13 de dezembro de 2011 | 17h13

SÃO PAULO - A renovação contratual entre o Corinthians e o técnico Tite, que parecia caminhar com naturalidade, ganhou ares de novela nas últimas horas. Primeiro foi o presidente Andrés Sanchez que reclamou publicamente da pedida salarial do treinador e criticou o empresário Gilmar Veloz, que representa Tite nas negociações. Depois foi a vez de o agente vir a público para rebater Sanchez e negar suas acusações.

Em entrevista à TV Estadão nesta terça-feira, Andrés Sanchez deu um ultimato a Tite: "Já fiz a proposta e, se não acertar até sexta-feira, a gente vai para a segunda opção. É uma diferença (de salário) razoável, tenho um teto e não vou abrir mão desse teto", garantiu o presidente alvinegro, que disse estar otimista por um acerto. "Tenho certeza de que ele vai acertar, e espero que (Tite) tenha um ano feliz."

Já o empresário Gilmar Veloz deu entrevista à Rádio Estadão/ESPN e mostrou-se surpreendido com o ultimato. "Estou sendo pego de surpresa pela informação de que o Andrés deu um ultimato até sexta-feira. Como o Tite foi informado do que o Andrés disse, a hora que ele me ligar vamos ver o que ele pensa. Não tem como criar nenhuma situação agora se a pessoa que decide não me ligou e não me passou nenhuma informação ainda", disse ele, que conduz as negociações enquanto Tite passa férias nos Estados Unidos.

A revelação da dificuldade de um acordo foi feita na segunda-feira pelo próprio Andrés. Na ocasião, ele criticou Veloz e expôs a pedida salarial de Tite. "O empresário dele está achando que está no Catar, nos Emirados Árabes. Não vou pagar R$ 750 mil, R$ 800 mil para treinador. Isso é o fim do mundo, uma ofensa ao País", disse o dirigente, em entrevista ao Sportv.

Veloz rebateu. "Estou tratando com o Roberto (de Andrade, vice que assumirá a presidência quando Andrés renunciar ao cargo) e inicialmente não foi essa posição que eu tive do Roberto. Mas ele (Andrés) é o presidente e sabe o que pode fazer no Corinthians e o que não pode e a gente tem que respeitar. Presidente é presidente", disse, antes de criticar a atitude do dirigente: "É um irresponsabilidade falar números".

O empresário também negou a insinuação feita por Andrés, a de que Veloz estaria levando a negociação a rumos diferentes da desejada por Tite. "Quem decide é o cliente. Não sou eu. Eu só faço o que o cliente determina", garantiu.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCorinthiansTite

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.