Divulgação
Divulgação

Empresário que doou R$ 1 milhão ao Inter volta atrás e desiste de 'injetar dinheiro' no São Paulo

Elusmar Maggi disse que faria a aplicação financeira como incentivo ao Tricolor 'no calor do momento', recuou e pediu desculpas

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2021 | 14h56

O empresário Elusmar Maggi, torcedor que doou ao Internacional R$ 1 milhão para que Rodinei pudesse jogar contra o Flamengo, voltou atrás em sua declaração e descartou injetar qualquer quantia em dinheiro no São Paulo na última rodada do Brasileirão. Segundo o produtor rural, a promessa de uma aplicação financeira como forma de incentivo ao Tricolor diante do Fla foi feita no "calor do momento", já que seu time do coração havia acabado de perder a liderança do Nacional. 

"Envolto em emoção, afirmei (em entrevista ao site GaúchaZH) que poderia participar da última rodada com aporte financeiro ao São Paulo, algo que considero equivocado", avaliou Maggi. "Sei que não é ético, aceitável nem necessário este tipo de coisa, já que o São Paulo, como grande clube que é, não precisaria de qualquer incentivo para tentar a vitória em casa", acrescentou. 

A promessa de "injetar de dinheiro" no São Paulo surgiu após o Flamengo abrir vantagem de dois pontos para o Internacional com a vitória por 2 a 1 no confronto direto do último domingo. Para ser campeão brasileiro na quinta-feira, além de vencer o Corinthians, o time gaúcho tem de torcer para que os cariocas não derrotem o São Paulo no Morumbi. 

Quando disse que aplicaria dinheiro no São Paulo, Maggi imaginava que o clube paulista venceria o Botafogo nesta última segunda-feira e garantiria vaga direta na próxima edição da Copa Libertadores, o que não aconteceu. O clube tricolor saiu de campo derrotado e agora precisa vencer o Flamengo para não correr o risco de perder a classificação direta para a fase de grupos. O Fluminense pode ficar com a posição. 

"Peço desculpas pelas palavras ditas "no calor do momento" e reitero que jamais falei em nome do Inter. Reforço que não vou fazer qualquer movimento nesta última rodada, deixando o protagonismo todo para quem sempre deve tê-lo: os jogadores. Vamos, Inter! Estaremos sempre contigo!", concluiu.

Maggi é sócio proprietário do Grupo Bom Futuro. Sua família é reconhecida como uma das maiores produtoras de soja do País e, segundo a revista Forbes, já esteve entre as dez mais ricas do Brasil em 2014. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.