Empresário rebate Leão:'Não sou dono do Tiago Luís'

Wagner Ribeiro diz que não levou nada na renovação de contrato do atacante de 18 anos com o Santos

Sanches Filho, Especial para o Estado de S. Paulo

28 de janeiro de 2008 | 19h14

Três beijos no rosto. Esse foi o pagamento que o empresário Wagner Ribeiro recebeu da nova atração santista, o atacante Tiago Luís, e dos pais do jogador por ter intermediado as negociações para a assinatura do contrato de cinco anos, a duas horas do início do jogo contra o Bragantino.Veja também: Santos confirma a renovação do contrato de Tiago Luís Leão diz que realidade no Santos é dos jovens"O que Leão disse não é verdade. Não sou dono do Tiago Luís e nem tenho procuração assinada por ele. Neste momento estou tentando conseguir um contrato para o garoto com a Adidas. Conheci Tiago há 20 dias e na semana passada desci cinco a vezes a Santos para cuidar de seus interesses. Conseguimos o contrato, que era o que eles [Tiago e os pais] queriam", disse Ribeiro.O empresário confirmou que recebeu propostas por escrito do Real Madrid, Benfica, Bayer Leverkusen e de um clube da Ucrânia por Tiago Luís, na semana passada. "Não vou mentir. No Real ele iria para o time B porque não tem passaporte comunitário. Mas, num clube médio da Espanha, iria 100 mil euros por mês." Diante das inúmeras propostas que recebeu pelo filho, depois dos oito gols que ele marcou em quatro jogos na Copa São Paulo de Futebol Júnior, José Luís Martins resolveu convidar Ribeiro para assessorá-lo. E nesta segunda-feira comemorava o sucesso de Tiago Luís e brincava com tudo o que aconteceu nos últimos dias. "Fui dormir uma noite com dois milhões de euros no bolso - luvas que o garoto receberia, segundo uma das muitas propostas que recebeu - e no dia seguinte estava com os bolsos vazios", brincou José Luís, confirmando o que disse Ribeiro. No dia anterior, antes da alegria de ver o filho passar a fazer parte da galeria dos emergentes da bola, em razão da boa atuação e do gol marcado contra o Bragantino, os três viveram momentos de angústia.Ribeiro conta que foi apresentado a Leão na manhã de domingo e que o técnico foi simpático. O empresário foi chamado pelos pais de Tiago Luís e os três participavam de uma reunião para acertar o contrato com Dagoberto Fernando (gerente de planejamento e negócios), Ilton José da Costa (gerente de futebol), o ex-jogador Zito (supervisor de futebol) e o vice-presidente Norberto Moreira da Silva, quando surgiu um impasse."Tiago chegou chorando, dizendo que Leão lhe mandou pegar a mala e ir embora da concentração. Falei para Tiago ir almoçar e deixar que eu resolveria tudo com Marcelo Teixeira", contou o empresário. Em seguida, Wagner e os pais do atacante saíram para almoçar. "Antes eu disse que voltaríamos às 15 horas e que queria que o presidente Teixeira participasse da reunião da tarde." Os três voltaram às 15h30 e encontraram o presidente santista nervoso, porém com meia hora de conversa, ele aceitou os argumentos de Ribeiro e o contrato foi assinado. Consta que pelo novo contrato, Tiago Luís recebeu uma importância não revelada como luvas e vai ter salários mensais de R$ 10 mil, reajustáveis anualmente, e com bônus, prevendo ganhos extras por participações em jogos e pelos gols marcados. Se algum clube do exterior quiser tirar Tiago Luís do Santos terá que pagar 30 milhões de euros.Tiago Luís foi dormir tarde no domingo e nesta segunda-feira, às 7h30, foi acordado pelo sinal do celular. A parte da manhã foi de cumprimentos por telefone e o desfile de equipes de jornalistas na pequena sala do apartamento num prédio do bairro Campo Grande, em Santos. Mostrou uma fotografia em que aparece ao lado de Robinho. Ele era um dos gandulas no primeiro jogo da decisão do Brasileiro de 2002. "Também fui gandula na decisão da Libertadores, em 2003. Dei sorte na primeira e azar na segunda." E tarde, Thiago Luís foi ao CT Rei Pelé, fazer exercícios de regeneração.Garoto simples nascido em Ribeirão Preto, fã da dupla sertaneja César Menotti e Fabiano, vidrado em vídeo game, Tiago Luís jura que só teve certeza de que seria jogador profissional na última Copinha. E descreve suas virtudes e defeitos. "Não sou habilidoso, mas conduzo bem a bola graças à minha rapidez." Nunca viu um jogo inteiro de Messi e considera um exagero ser comparado ao argentino. "Gosto de todos os brasileiros que estão na Europa, mas o jogador que mais admito é Zidane, pela classe e inteligência", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.