Sandro Baebler/Divulgação
Sandro Baebler/Divulgação

Empresário revela que Usain Bolt recusou contrato de 2 anos com clube de Malta

Velocista jamaicano está treinando no Central Coast Mariners, da primeira divisão australiana

Estadão Conteúdo

18 Outubro 2018 | 10h42

Lenda no atletismo com recordes e medalhas de ouro em Olimpíadas e Mundial, o jamaicano Usain Bolt segue tentando fazer carreira no futebol. Treinando há mais de dois meses no Central Coast Mariners, da Austrália, em busca de um contrato para jogar o campeonato local, que começará neste final de semana, o ex-velocista recusou uma oferta feita pelo La Valletta, campeão de Malta, para assinar um contrato de duas temporadas.

A informação da recusa de Bolt foi feita nesta quinta-feira pelo seu empresário Ricky Simms, em entrevista à ESPN norte-americana. "Existem muitos clubes interessados em Usain. Recebemos constantemente várias abordagens. Posso confirmar que Usain não vai aceitar a proposta para jogar em Malta", afirmou.

O La Valletta foi o primeiro clube a manifestar interesse em contar com o futebol do ex-velocista. Ainda sem contrato, Bolt vai continuar treinando na Austrália em busca de seu objetivo. Já entrou em campo duas vezes, em amistosos de pré-temporada, e se destacou na semana passa, quando marcou dois gols na goleada do Central Coast Mariners por 4 a 0 sobre o Macarthur South West.

Ghasston Slimen, diretor executivo do clube de Malta, comentou a decisão de Bolt e fez questão de deixar uma mensagem ao ex-velocista. "Desejamos a Usain Bolt tudo de melhor na sua carreira futebolística. A proposta do Valletta FC está sempre em cima da mesa", disse.

Antes de tentar a sorte na Austrália, Bolt treinou no Borussia Dortmund, da Alemanha, e em clubes da África do Sul e da Noruega. De acordo com a imprensa australiana, o jamaicano pode assinar um contrato de 1,9 milhões de euros (mais de R$ 8 milhões) com o Central Coast Mariners, mas o clube espera que a Federação Australiana de Futebol (FFA, na sigla em inglês) ajude na negociação.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.