Empresários querem alterar Lei Pelé

Para resguardar seus direitos e evitar a possibilidade de mais conflitos na Justiça Comum, a Associação Brasileira de Agentes de Futebol (Abaf) vai encaminhar um documento ao Senado na tentativa de impedir que o artigo 28, parágrafo 7º da Lei Pelé, seja aprovado em sua redação original. Nele, fica estabelecido que os profissionais podem firmar contratos com jogadores para representá-los pelo período de um ano. Pelo estatuto da Fifa, o período é de dois anos. "Acho que eles vão entender e modificar o artigo. O estatuto da Fifa rege todo o mercado internacional e não podemos estar em desacordo", disse o advogado da Abaf, Marcos Motta."Caso insistam na inclusão do artigo em seu texto original, os agentes estrangeiros poderão fechar contratos mais longos com os jogadores brasileiros." Em reunião desta quinta-feira, na sede da Abaf, na Barra da Tijuca, 18 dos principais agentes de futebol do Brasil decidiram que o presidente da entidade Léo Rabello tentará agendar um encontro com a comissão do Senado encarregada do assunto. A intenção é a de que o documento dos agentes seja entregue no início da próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.