Jamil Chade|Estadão
Jamil Chade|Estadão

Empresas da Europa estão à frente das obras no Catar

Multinacionais terão contratos com lucros de US$ 15 bilhões até 2022

Jamil Chade / DOHA, O Estado de S. Paulo

26 de março de 2016 | 17h00

Um engenheiro irlandês, que pediu para não ser identificado, confirmou as condições "terríveis" em que vivem os operários. "Se uma empresa fizesse isso na Europa, seria denunciada."

Mas segundo a Confederação Internacional de Sindicatos (ITUC, sigla em inglês), a realidade é que a grande maioria das obras está sendo realizada justamente por empresas europeias. Juntas, as multinacionais do setor da construção terão contratos com lucros avaliados em US$ 15 bilhões até 2022, num projeto que vai custar US$ 220 bilhões. 

A construtora espanhola ACS, por exemplo, emprega 6 mil operários no Catar. A americana Bechtel, que atua no aeroporto de Doha, usou em seu momento mais intenso cerca de 47 mil operários. Os contratos da belga Besix são realizados em 60% por operários indianos, contra 25% de Bangladesh e 6% do Nepal. A divisão de construção da francesa Bouygues opera com 5 mil pessoas nas obras no Catar. 

Para o ITUC, os "maiores vencedores da Copa são as empresas de construção do Ocidente que ganharam contratos para erguer o projeto com parceiros do Catar." 

"Nenhum CEO presidiria sobre um modelo de negócios que escraviza seus próprios filhos”, denunciou Sharan Burrow, secretário-geral da ITUC. “Fazer negócios no Catar significa aceitar o sistema kafala, em contradição com os direitos e liberdades dadas em nações democráticas das sedes das empresas atuando no Catar", insistiu. 

Em um apelo, ele "clama às empresas que deem no Catar o mesmo tratamento que dão para seus operários em seus países de origem”. “O Catar é uma prisão a céu aberto", disse. 

O governo catariano diz que novas regras vão entrar em vigor em dezembro, o sistema de vistos de saída vai ser abolido para partes dos operários e já estabeleceu um método de pagamento eletrônico para garantir que não haja serviço forçado. Mas, para os sindicatos, nada substitui à liberdade. 

Para a ITUC, porém, essa pressão ainda tem feito pouco efeito. "Muito pouco tem mudado para os trabalhadores imigrantes, que continuam em um regime de escravidão moderna. O Catar continua a ser um estado escravagista", atacou. 

PRAZOS 

Outra pressão contra o governo catariano veio, nesta semana, mais uma vez da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em Genebra. Numa reunião da entidade, diplomatas e sindicatos decidiram dar um prazo de um ano para que o Catar reforme suas leis trabalhistas. Caso não o faça, os governos estrangeiros irão instaurar uma comissão de inquérito para examinar e sancionar o país, algo que a entidade fez em apenas uma dúzia de ocasiões desde 1945.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolCopa do MundoCatar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.