Empresas de turismo oferecem pacotes para jogo da seleção

'Quando a seleção joga no Rio, a cidade fica cheia de turistas, todos querem ver', diz atendente de hotel

Sílvio Barsetti e Fábio Hecico, Estadão

15 de outubro de 2007 | 19h24

O Rio é um enorme cartão postal do Brasil. Tem belas praias, o Cristo Redentor, o Corcovado... e o Maracanã, que ganhou uma atrativo a mais nesta quarta-feira: o jogo da seleção contra o Equador, pelas Eliminatórias Sul-Americanas. Os ingressos estão esgotados desde a semana passada, mas turistas com tratamento - e preço - vip poderão ver, de perto, os craques Ronaldinho Gaúcho, Kaká, Robinho e cia. Empresas que atuam em parceria com os hotéis da cidade disponibilizam ônibus (ida e volta) e ingressos em cadeiras especiais para quem quiser acompanhar o duelo. "A procura está grande, devemos encher os dois primeiros ônibus hoje [segunda] mesmo", informou Vander Moura, atendente da Italbus. "Também vai ter equatorianos no Maracanã, eles já nos ligaram", contou. O pacote sai por R$ 150 - os ingressos mais baratos à venda custavam R$ 30. O comercial é bem convincente. As empresas de turismo garantem preços "mais baixos que os cambistas" e ingressos garantidos e transporte de primeira linha. De acordo com o atendente Pedro Nóbrega, do Hotel Atlantis, em Copacabana, o Flamengo é o clube que mais atrai os turistas. "Quando a seleção joga no Rio, a cidade fica cheia de turistas, todos querem ver. Mas lotam o Maracanã mesmo é para ver o Flamengo", afirma. Pedro, contudo, está reticente quanto à presença de equatorianos no Rio. "Se fosse contra a Argentina...", lamenta. "Eles perderam em casa", completa, bem informado - o Equador caiu diante da Venezuela, 1 a 0, em Quito, no sábado. Apesar das placas de recomendações no Maracanã para que os torcedores não comprem ingressos fora das bilheterias, os cambistas fizeram a festa nesta segunda nas proximidades do estádio, até mesmo na frente da entrada principal. Ingressos de cadeira com valor de R$ 30 estão sendo comercializados por cinco vezes mais - R$ 150.

Tudo o que sabemos sobre:
Seleção brasileira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.