Fifa TV
Fifa TV

'Empurrão muito leve', avisou VAR ao árbitro em jogo do Brasil

Fifa revela áudio e vídeo de lance do gol da Suíça e aponta que foi legal; entidade diz que 'sistema ainda não é 100%'

Jamil Chade e Glauco de Pierri, enviados especiais/Moscou, O Estado de S.Paulo

29 Junho 2018 | 10h33

Depois de se recusar a dar o áudio e vídeo para a CBF referente à comunicação entre o árbitro e a cabine do VAR, a Fifa revelou nesta sexta-feira, em uma coletiva de imprensa, todas as informações que levaram a arbitragem a validar o gol da Suíça contra o Brasil, na estreia das equipes na Copa do Mundo.

+ Diretor da Fifa admite rever regras da Copa para evitar 'jogo de compadres'

+ Nagatomo admite favoritismo da Bélgica e diz que Japão jogará despreocupado

+ Casos de violência ocorridos durante a Copa não preocupam, segundo dirigentes

A Fifa explicou que não liberou antes o vídeo do gol da Suíça, como pediu a CBF, por considerar que não era "adequado" dar a informação durante a primeira fase. No áudio, os técnicos na cabine do VAR avaliam a imagem do gol de empate e concluem que o toque sofrido por Miranda foi "um empurrão muito leve". 

O gol representou o empate da Suíça e levou a CBF a se queixar oficialmente junto à Fifa diante do fato de que o processo de verificação das imagens não teria sido bem conduzido. "Gol controlado", afirmou a cabine ao juiz da partida.

De acordo com o chefe da arbitragem da Fifa, Pierluigi Collina, não houve inicialmente um questionamento por parte dos jogadores. "Isso só ocorreu quando o replay do lance foi mostrado no telão do estádio", disse. "Só então que os jogadores criticaram", disse.

 

Para ele, não se deve descartar que, no futuro, o público no estádio saiba como uma decisão foi tomada, assim como ocorre em outros esportes que já usam a tecnologia. "Mas estamos ainda andando. Antes de correr, precisamos aprender a caminhar", disse.

Collina disse que o VAR acertou 99,3% dos casos. No total, o VAR avaliou 335 lances durante a primeira fase, uma média de 6,9 por jogo. "Ainda não estamos 100%", admitiu.

Por fim, o chefe de arbitragem informou que houve uma correção no comportamento dos árbitros depois da primeira rodada. Mas, ainda assim, defendeu o sistema. "O contato não significa falta. Isso não é futebol", disse Colina.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.