Glyn Kirk/Reuters e Alex Silva/Estadão
Glyn Kirk/Reuters e Alex Silva/Estadão

Endividados, Corinthians e São Paulo contratam para fazer frente a Palmeiras, Flamengo e Atlético-MG

Rivais são protagonistas na janela de transferências para tentar brigar com os concorrentes abastados

Marcius Azevedo, João Prata, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2021 | 05h00

A janela de transferências no Brasil para contratações provenientes do exterior fechou na segunda-feira, às 23h59. Corinthians e São Paulo se destacaram na reta final e, apesar das dívidas com cifras astronômicas, investiram em reforços para tentar fazer frente a Atlético-MG, Palmeiras e Flamengo no Campeonato Brasileiro.

Após fechar com Giuliano, Renato Augusto e Roger Guedes, o Corinthians confirmou o retorno de Willian. A contratação dos reforços que empolgaram os torcedores foi possível, segundo o clube, por uma mudança de planejamento. O Corinthians dispensou do ano passado para cá mais de 30 jogadores, entre eles nomes que não deixam saudade, como Cazares, Otero, Jonathan Cafu, Richard e Michel Macedo. As saídas geraram uma boa redução na folha salarial e possibilitaram as contratações de nomes de peso que estavam disponíveis no mercado e que abriram mão de dinheiro para rescindir com seus clubes.

"A gente começou com um planejamento desde o início da gestão, reduzindo a folha de pagamento, saídas, empréstimos. Reduções também dentro do clube. De imediato, temos uma redução de 20% em todos os departamentos. No futebol, ainda maior. Para chegar esse momento de oportunidades e reforços", explicou o presidente Duílio Monteiro Alves, em entrevista ao SporTV. "Nosso departamento trabalhou muito bem com esses atletas nesse momento de crise, que não é só no Corinthians, tudo dentro do orçamento, bem planejado e sem irresponsabilidade, como a gente tem escutado muito."

De acordo com o balanço financeiro do Corinthians de junho, os gastos com futebol foram de R$ 165,6 milhões nos primeiros seis meses do ano. Em 2020, até junho, o departamento havia consumido R$ 221 milhões. Os gastos com a folha salarial, até junho do atual exercício, foram de R$ 103,5 milhões. No ano passado, fechou com gastos em R$ 188 milhões.

O clube apresentou saldo positivo neste semestre, de R$ 394 mil. Em 2020, esse saldo também era positivo, de R$ 4,39 milhões na primeira metade do ano. O receio dos conselheiros é que no segundo semestre aconteça o mesmo que no ano passado. Que os salários desses novos reforços tenham grande impacto nas receitas e o clube volte a fechar no vermelho, como tem acontecido de 2016 para cá. Em 2020, ficou com déficit de R$ 123 milhões.

A conquista de títulos, no entanto, é o desejo do torcedor, que ficou confiante com os novos reforços. A equipe de Sylvinho venceu os últimos três jogos, está na sexta posição e, se otimismo fora de campo se refletir dentro, o time pode brigar pelas primeiras posições no segundo turno do Brasileiro.

O mesmo sentimento tem o torcedor do São Paulo. A diretoria trabalhava para reforçar o elenco há algum tempo e conseguiu efetivar duas contratações no último dia: Gabriel Neves e Jonathan Calleri. Apesar disso, o time tricolor vive o mesmo problema do Corinthians. O clube está trabalhando para reduzir os gastos, mas sua dívida atualmente está em torno de R$ 600 milhões. Não à toa, ambos chegaram em uma negociação por empréstimo até o final de 2022.

A torcida ficou empolgada principalmente com o retorno do argentino, após cinco anos, para formar dupla de ataque com Rigoni. O problema é que os dois só podem jogar o Brasileirão. As inscrições para a Copa do Brasil - o time de Hernán Crespo decide com o Fortaleza uma vaga na semifinal - se encerraram no dia 24 de agosto. Na competição por pontos corridos, o clube está distante das primeiras colocações. Soma apenas 22 pontos e está em 12.º.

Apesar do otimismo de corintianos e são-paulinos pelo último dia da janela Atlético-MG, Palmeiras e Flamengo continuam como favoritos, até porque também se movimentaram para reforçar ainda mais os já qualificados elencos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.