Alexandre Battibugli/Copinha
Alexandre Battibugli/Copinha

Endrick diz que não tem pressa de jogar nos profissionais do Palmeiras: ‘Abel está certo’

Principal destaque do clube alviverde na Copinha, atacante de apenas 15 anos freia empolgação dos torcedores que gostariam de vê-lo no Mundial e diz que pensa na base. Técnico português descarta levar joia a Abu Dabi

Gonçalo Jr., O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2022 | 13h12

Grande destaque da conquista inédita do Palmeiras na Copa São Paulo de Futebol Júnior, com a goleada sobre o Santos por 4 a 0 nesta terça-feira no Allianz Parque, o atacante Endrick, de apenas 15 anos, afirma que não tem pressa de jogar entre os profissionais. Torcedores cogitaram a convocação do atleta para a disputa do Mundial de Clubes no mês de fevereiro. Ele poderia ser inscrito, mas o técnico Abel Ferreira descartou a possibilidade. 

“Estou tranquilo. Vou torcer pelo time no Mundial. Tento pensar na base, tento não pensar no profissional para não atrapalhar minha carreira. O Abel está certo. Tenho de concordar. Vou torcer muito pelo Mundial”, afirmou o atacante após a decisão. 

Para Abel Ferreira, Endrick, depois da final da Copa São Paulo, precisa brincar e, quem sabe, viajar para a Disney. Questionado sobre a sugestão do treinador, Endrick desconversou. 

A Fifa permite que jogadores da idade de Endrick sejam inscritos no Mundial. No Brasil, o garoto só pode assinar um contrato profissional quando fizer 16 anos, no dia 21 de julho.

Além da questão contratual, outro fator já afastava Endrick do Mundial. Se decidisse levar a promessa, o Palmeiras precisaria cortar um jogador da lista de inscritos. 

Endrick foi o grande nome da primeira conquista do clube na Copinha, coroando um longo trabalho da base do clube que soma cinco títulos estaduais seguidos. Em votações populares, ele foi escolhido o destaque do torneio e autor do gol mais bonito – aquela puxada, quase uma bicicleta, diante do Oeste nas quartas de final que encobriu o goleiro. O jovem atacante destaca a força do grupo para conquista. 

“Esse é um título muito importante para a nossa sociedade. A gente não tinha. Os títulos são consequência. É o grupo sobre o indivíduo. Não ganhei esse prêmio sozinho. Não ganhei o título sozinho. Primeiro foi Deus. Ele está fazendo coisas importantes na minha vida e só tenho a agradcer”, afirmou no final do jogo. 

Logo no início da decisão, Endrick aproveitou a primeira chance que teve. Após boa jogada de Vanderlan pela esquerda, o atacante aproveitou a falha dos zagueiros e abriu a goleada no Allianz Parque. Ao longo da final, ele não se intimidou com as chegadas fortes dos defensores do Santos. Ainda no primeiro tempo, tentou dar uma carretilha quando o time já vencia por 3 a 0 e fugiu da pressão dos jogadores do Santos, que viram desrespeito no drible. Ele levantou os braços e fugiu das discussões.  

No segundo tempo, Endrick foi ovacionado pelos 20 mil torcedores no estádio do Palmeiras ao ser substituído. Artilheiro do time no torneio com seis gols, Endrick virou o grande xodó da torcida palmeirens. Sua fama e a expectativa em relação ao seu desenvolvimento devem aumentar nos próximos meses após o título inédito da Copinha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.