Fabio Menotti/ SE Palmeiras
Fabio Menotti/ SE Palmeiras

Endrick quer assinar contrato com o Palmeiras mesmo com sondagens europeias

Equipe alviverde tem artifícios contratuais para proteger 'cria' de assédio de outras equipes antes da assinatura de vínculo profissional, que só pode ocorrer em 21 de julho

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2022 | 05h00

O título inédito da Copa São Paulo de Futebol Júnior e a revelação de uma nova geração de talentos animam os palmeirenses, mas deixam algumas dúvidas sobre a permanência das promessas no clube. Será que o Palmeiras vai resistir à pressão dos clubes europeus? A preocupação maior é com o futuro de Endrick, artilheiro e destaque da Copinha com 15 anos. O técnico Abel Ferreira reconhece o talento de Endrick, mas afirma que é preciso dar tempo ao tempo e que o “miúdo de 15 anos” poderia ir à Disney neste momento.

O treinador sabe que terá de esperar mais um pouco para iniciar a transição para o time principal. No Brasil, um atleta só pode atuar entre os profissionais a partir dos 16 anos. De acordo com a Lei Pelé, só a partir daí ele poderá assinar seu primeiro contrato. No caso de Endrick, isso será em 21 de julho. A tendência é que o garoto passe a ser visto ainda mais de perto pela comissão técnica do profissional a partir desta data.

O Estadão apurou que Endrick pretende, sim, assinar contrato e jogar no Palmeiras. Apesar das sondagens e observações de times da Europa, como Real Madrid, a ideia do estafe e da família do jogador é que ele complete sua formação por aqui. No momento, não há interesse da família em se mudar para a Europa. Vale lembrar que ele só poderá atuar em um clube do exterior depois dos 18 anos, mesmo se for negociado antes disso.

Endrick tem um contrato de formação esportiva com o Palmeiras. Além do amparo legal, o Palmeiras confia na palavra da família do jogador. O pai de Endrick é funcionário do clube e recebeu apoio quando trocou Goiás por São Paulo para iniciar a carreira do filho. Por isso, o clube entende que não corre risco de perdê-lo pelo menos até os 18 anos.

Em função dos seus 15 anos, ele ainda poderia disputar mais cinco edições da Copa São Paulo de Juniores, o que dificilmente deve ocorrer. Pessoas ligadas à comissão técnicas da base consideram que o jogador deva se firmar entre os profissionais a partir do segundo semestre, tamanha a sua precocidade. Uma vez entre os profissionais, Endrick vai começar uma nova carreira como ele próprio admite. "Se Deus quiser, um dia estarei entre os profissionais. Aí, não vai valer muito o que fiz na base. Vou começar outra carreira no profissional", diz o atleta. 

“O Endrick é um menino sonhador, trabalhador e que cresce a cada dia, a cada treino e a cada jogo. Porém, ainda tem bastante coisa a evoluir. Ele já vem pulando algumas etapas nas categorias. Com certeza, o clube está tomando as melhores decisões para ter o melhor desempenho possível na categoria em que estiver”, afirmou o técnico Paulo Victor Gomes, campeão da Copinha.

Vale lembrar as palavras de Abel (antes do título da Copinha) sobre a formação do jogador e as razões de não levá-lo ao Mundial de Clubes como sugeriram torcedores nas redes sociais. A Fifa permite que jogadores da idade de Endrick sejam inscritos. 

“Ele tem 15 anos, é um miúdo e gosto de olhar para estes jogadores e dar tempo ao tempo. Acho muito boa esta gestão feita pela diretoria e comissão da base do Palmeiras, que fazem um trabalho extraordinário. Não tenham pressa, nem ansiedade. Mais cedo ou mais tarde ele vai jogar na equipe principal. Mas com 15 anos, o clube deve dar uma passagem para ele e para a família dele para a Disneylândia. É o melhor que vai fazer seguramente para ele continuar a brincar, porque ele só tem 15 anos”, completou.

FENÔMENO

Na Espanha, Endrick é comparado a Vinícius Júnior e chamado de "craque", "fenômeno" e "menino de ouro do Palmeiras" pelos jornais AS e Sport. Esses jornais lembram a trajetória de Vinícius Júnior. O atacante, revelado pelo Flamengo, foi vendido ao Real Madrid, em 2017, antes mesmo de completar 18 anos, por R$ 165 milhões. No ano seguinte, Rodrygo, do Santos, seguiu o mesmo caminho, e também se transferiu ao clube merengue, seis meses depois de atingir a maioridade.

O currículo é realmente de uma grande promessa. É o jogador mais jovem a atuar e a marcar pelo Palmeiras na Copinha. São 167 gols em 170 partidas, sendo 68 deles em torneios oficiais. É o único na história a balançar as redes em jogos finais do Paulista sub-15, sub-17 e sub-20. Agora, mais uma façanha: o menino de 15 anos ajudou o Palmeiras a encerrar o jejum na Copinha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.