Enílton é confirmado no Palmeiras

O Sanfrecce Hiroshima, do Japão, tentou melar o acerto de Enílton com o Palmeiras afirmando que teria um pré-contrato com o atacante e que, por isso, ele não poderia reforçar o time paulista. Mas o empresário de Enílton, André Cury, afirma que não há a menor chance de a transação ser invalidada. ?O contrato já está assinado. O Enílton será jogador do Palmeiras até 31 de dezembro de 2008?. A diretoria do clube também se diz tranqüila quanto à situação. Ninguém conta com a possibilidade de a contratação de Enílton ser revogada ou de o Palmeiras ser acionado judicialmente pelo Sanfrecce. Enílton, que jogou o Brasileirão pelo Juventude, era vinculado ao Vitória até 31 de julho de 2006 e só assinou com o Palmeiras depois que seu empresário abriu mão de uma dívida que o clube baiano tinha com ele em troca da liberação do atacante. ?Se a situação do Enílton não fosse legal, o empresário dele não teria aberto mão de receber um baita dinheiro em troca da liberação?, diz o diretor de futebol Salvador Hugo Palaia. O empresário André Cury reconhece, porém, que Enílton assinou mesmo, em novembro, um documento com o time japonês, mas culpa por isso o advogado Marcos Motta. ?Ele agiu de má fé?. O tal documento nem teria validade. ?Para valer alguma coisa, um pré-contrato só pode ser assinado seis meses antes do fim do contrato em vigência. E a data da assinatura é 15 de novembro. Se o Sanfrecce quiser levar a história adiante, quem vai sair perdendo é ele (o clube japonês). Vamos acusá-los de aliciamento de jogador. E, numa dessas, o Vitória pode até receber uma indenização?. O contrato de Enílton com o Palmeiras, que é de três anos, entrou em vigor nesta terça-feira e já foi mandado para a CBF. Também nesta terça, quem assinou com o time paulista foi o zagueiro Douglas, ex-São Caetano. Ele tem 26 anos e assinou por uma temporada, com possibilidade de renovação por mais duas. Já o zagueiro Leonardo foi dispensado. E Gláuber também não deve ficar: pediu demais para renovar. O goleiro Sérgio é outro que pediu um aumento salarial considerado muito grande e, por isso, não deverá permanecer. Ele tem propostas do Fluminense e do Santos. Até agora, a diretoria já acertou seis reforços (Enílton, Edmundo, Márcio Careca, Paulo Baier, Douglas e Amaral) e liberou outros três (Fabiano, Leonardo e Warley). Um meia-esquerda e um centroavante ainda serão contratados. Rodrigo Fabri, do Atlético-MG, e Luís Fabiano, do Sevilla, são os mais cotados.

Agencia Estado,

13 de dezembro de 2005 | 19h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.