Divulgação/Real Estelí
Divulgação/Real Estelí

Enquanto o futebol para no mundo, Campeonato da Nicarágua entra em sua fase final

Apesar da pandemia do coronavírus, torneio continua sendo realizado e jogos passam na internet

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2020 | 07h01

A discussão no futebol em quase todo o mundo neste momento é quando e se os jogos voltarão a ser realizados nesta temporada, paralisada em razão do novo coronavírus. Uma das exceções é na Nicarágua, onde o campeonato não só continua como entra em sua fase final a partir deste sábado com direito a transmissão ao vivo pela internet.

Com poucos casos registrados de coronavírus - foram 11 contaminados e 3 mortes, o país decidiu não paralisar os jogos e a única alteração feita é que os confrontos passaram a ser jogados com portões fechados. 

A semifinal do segundo turno do campeonato será realizado neste sábado com dois jogos: Walter Ferretti x Manágua (20h, horário de Brasília) e Diriangén x Real Estelí (22h). Os confrontos serão de ida e volta. O segundo duelo está marcado para o dia 28, terça-feira. O fato da competição estar em sua reta final e também ter poucos casos da doença no país foram determinantes para os dirigentes não paralisarem os jogos. 

O regulamento do Campeonato na Nicarágua é parecido com o do Campeonato Carioca. São dois turnos, com um campeão em cada e os dois vencedores dos turnos fazem a final. Caso o mesmo clube ganhe os dois turnos, já fica com o título nacional. Na primeira metade da competição, o campeão foi o Real Estelí.

A equipe de Estelí tem chamado a atenção também fora da Nicarágua. Para amenizar o prejuízo aos torcedores, que não podem ir ver os jogos nos estádios, o time decidiu transmitir ao vivo suas partidas em seu canal no Youtube. Para atingir público em todo o mundo, o canal faz narração também em inglês. Vale lembrar, que na Nicarágua, a língua oficial é o castelhano. 

No dia 18 de abril, o Estado conversou com o meia Christiano Fernandes, que defende o Manágua, um dos semifinalistas do segundo turno e ele comentou o clima de tranquilidade que está no país. "O país tem poucos casos. A vida está normal, como se fosse o Brasil antes de começar a pandemia. Não tem essa de estar caro o preço do álcool gel e essa loucura que está no Brasil. Eu me sinto um privilegiado, porque posso continuar a jogar futebol", afirmou o jogador. "Eu acho que o campeonato não tem de parar. Só se tivesse algum risco ou perigo. Paralisar agora seria um exagero", disse. 

Para controlar o avanço da doença no país, o governo colocou baldes de água espalhados pelo país para lavar as mãos e determinou que as pessoas controlem suas temperaturas. Quem apresentar qualquer suspeita da doença, pode ser levada ao hospital até mesmo de forma obrigatória.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.