Mauricio de Souza/Estadão
Mauricio de Souza/Estadão

Entenda a reta final do Campeonato Brasileiro mesmo se você não entende nada de futebol

Levantamento baseado em números e na opinião de especialistas decreta, mesmo com tanta antecedência, o Corinthians como campeão

Amilton Pinheiro, especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2015 | 14h16

Os especialistas ouvidos pela reportagem do Estado são unânimes em apontar o Corinthians com maiores possibilidades de vencer o campeonato brasileiro de 2015, que chega a sua 28ª rodada. “Se não está garantido, está bem encaminhado”, acredita Ugo Giorgetti, colunista da editoria de Esportes do Estado. A opinião do especialista é reforçada pelas estatísticas do Corinthians, que apresenta uma performence robusta no campeonato. O time paulista, por exemplo, ganha em média dois pontos por rodada - quase não perde e, quando não ganha, empata. “Essa média é digna de quem quer vencer o campeonato”, explica Paulo Calçade, também colunista do jornal. O índice de aproveitamento da equipe comandada por Tite, de 74,07%, como não poderia ser diferente, é o melhor do campeonato.

O Departamento de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), faz, rodada a rodada, o índice de probabilidade dos primeiros colocados vencerem o campeonato, se classificarem para a Copa Libertadores e até a de não serem rebaixados, para aqueles que estão no final da tabela (entre os quatro rebaixados, três times de Santa Catarina). Ao término da 28ª rodada, Corinthians reúne 87,7% de chance de levar a taça, enquanto o segundo da tabela (Atlético-MG), tem apenas 8,4% e o terceiro (Grêmio), só 3,6%.

Quando se trata dos quatro possíveis times que irão para Libertadores do próximo ano, além do Corinthians, com 99,98% de chance, as outras três vagas serão mesmo disputadas entre Atlético-MG, com 95,8%, Grêmio (89,2%) e Palmeiras (45,4%). Mas todos esses prognósticos ditados pelas estatísticas podem mudar com o andamento do campeonato e alguns tropeços desses times que ocupam as primeiras posições - se o quarto colocado na competição nacional, o Palmeiras, tem 45 pontos, o décimo colocado, Sport, tem 40 pontos, é de cinco pontos (duas rodadas podem tirar essa diferença).

Santos forte

Nas últimas nove rodadas do segundo turno, dos seis primeiros times da tabela, o Santos foi o único que apresentou aproveitamento próximo ao do Corinthias; dos 27 pontos disputados, o time do litoral conseguiu 19, ou seja, 70,37% de aproveitamento, enquanto o segundo da tabela, Atlético-MG, obteve 17 pontos (62,96%), Grêmio, com 15 pontos ganhos (55,55%), Palmeiras com 14 pontos (51,85%) e São Paulo, o time entre os primeiros colocados mais irregular do segundo turno, conquistou apenas 12 pontos (44,44%).

“Esses números mostram que o Corinthians é o que vem apresentando uma maior regularidade e nesse atual fase de afunilamento, de enfrentamento, de arrancada do campeonato, é o que tem demonstrado mais força, um ritmo muito forte. Não falo só de números, observo o que está acontecendo nos grupos, por isso, vejo o Corinthias com maiores chances de conquistar o campeonato”, diz Antero Greco, colunista da editoria de Esportes do Estado.

Mas o torcedor não pode esquecer que ainda faltam 30 pontos para serem disputados e mesmo o Corinthians, que está com sete pontos de vantagens em relação ao segundo colocado, Atlético-MG, corre riscos, mesmo que mínimos, de não ganhar o campeonato.

“A grande vantagem que o Corinthias tem em relação aos seus outros adversários é a constância que vem apresentando, principalmente, nesse segundo turno. Ele não se deixa intimidar pelos outros times, mesmo os seus rivais. Seus tropeços são mínimos e isso garante sua permanência lá na frente da tabela”, explica Luiz Zanin, crítico do Estado e autor do blog Jogo de Zanin. Ele completa: “O principal adversário do Corinthians nessa fase final do campeonato é ele próprio”. Todos os especialistas atribuem o êxito do time ao seu equilíbrio entre defesa, meio campo e ataque, mesmo que Vagner Love e Malcon, os dois atacantes, não estejam no mesmo nível dos jogadores da mesma posição de times rivais. Questionados sobre os pontos fortes e fracos de cada time, os especialistas tiveram dificuldade em apontar os pontos fracos do timão, tamanho o equilíbrio tático da equipe.

Pontos fraco e forte da cada time:

Corinthians

Forte: Meio campo muito bom

Fraco: Não tem pontos fracos evidentes, mesmo que o ataque não apresente o mesmo rendimento, no conjunto funciona.

Atlético-MG

Forte: Ataque às vezes faz a diferença

Fraco: Certa inconstância contra os times menores (aqui é lembrado o último tropeço do time perante o lanterna da tabela, Joinville, quando o time não saiu o empate).

Grêmio

Forte: Alguns bons jogadores do meio de campo para frente, sobretudo Luan

Fraco: Não tem um ponto fraco tão acentuado, mas o nível individual dos jogadores é inferior ao do líder do campeonato.

Palmeiras:

Forte: Alta confiança quando joga com os grandes times

Fraco: Não consegue tomar iniciativa do jogo quando o adversário decide jogar na retranca

Santos:

Forte: O crescimento individual dos jogadores jovens, que oscilaram muito no começo do campeonato, aliado ao auxílio dos mais experientes

Fraco: Continua sendo o baixo índice de aproveitamento dos jogos fora de casa

São Paulo:

Forte: O toque de bola maravilhoso, com destaque para a qualidade do meio de campo

Fraco: Muito tumultuado internamente para conseguir voos maiores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.