Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Saiba como está a negociação para a transmissão dos jogos do Brasil nas Eliminatórias fora de casa

Empresa que negocia em nome das federações deve se reunir com emissora brasileiras para tentar fechar acordo definitivo; folga na tabela facilita as discussões

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2020 | 13h00

A vitória do Brasil sobre o Uruguai por 2 a 0 na terça-feira não foi vista pela maior parte dos brasileiros. O jogo passou apenas no EI Plus, canal de streaming, e no pay-per-view da BandSports. Ambos custavam R$ 19,90. Mas as partidas da seleção sem transmissão na TV aberta podem acabar em breve. Esta é a aposta de representantes das empresas envolvidas nas transmissões dos jogos, entre elas a Rede Globo.  

O Estadão conversou com pessoas ligadas às emissoras de TV no Brasil e todas disseram que o fato de a seleção voltar a jogar pelas Eliminatórias apenas no dia 25 de março - contra a Colômbia - deverá ser fundamental para definir a situação sobre os direitos de transmissão dos jogos em que o time de Tite atua como visitante. Haverá maior tempo para negociar e tentar entrar em acordo. Além da Globo, que sempre teve a seleção na sua programação, SBT e Band também estão na briga. 

Atualmente, a Globo tem exclusividade nas partidas em que o Brasil é mandante. Quando o jogo é fora, há negociações. No confronto com o Peru, EI Plus e TV Brasil passaram a partida; contra o Uruguai, EI Plus e pay-per-view do Band Sports ficaram com as imagens. Não houve transmissão da TV aberta. 

Entenda o caso

A Globo surge como principal candidata a assinar com a Mediapro, empresa que negocia em nome das principais federações da Conmebol. O problema é que a emissora só quer os jogos do Brasil como visitante, enquanto a empresa tenta fechar o pacote completo das Eliminatórias, com todos os jogos. Esse pacote custa algo em torno de R$ 100 milhões, valor considerado alto pela emissora do Rio. Por isso, ela prefere fechar apenas os jogos do Brasil, já que partidas envolvendo outras seleções não dão retorno tão bom de audiência e de patrocinadores. Band e SBT chegaram a mostrar interesse nas partidas do Brasil, mas também desistiram em razão dos valores. 

O jogo avulso também está longe de ser dos mais baratos. Tanto o jogo com o Uruguai quanto a partida diante do Peru, na segunda rodada, a Mediapro pediu R$ 5 milhões. O preço inicial era de R$ 8 milhões contra os peruanos e de R$ 10 milhões diante dos uruguaios. A ideia da empresa espanhola é cobrar um valor muito elevado dos duelos avulsos, justamente para incentivar que as emissoras fechem o pacote completo, que sairia mais em conta.

Como o Brasil volta a atuar pelas Eliminatórias somente em março e fora de casa, contra a Colômbia, os quase quatro meses de intervalo entre um jogo e outro podem ser fundamentais para um entendimento. A Globo até aceita assinar o pacote completo, desde que os valores sejam reduzidos. Baixando o valor, até mesmo outras emissoras podem entrar na disputa.

A Mediapro mostra preocupação com a falta de visibilidade de seus parceiros comerciais, com o fato de o jogo não passar na TV aberta. Financeiramente, o acordo para as partida no streaming e pay-per-view são inferiores em relação à TV aberta.

Colômbia x Brasil vai ter transmissão?

Por enquanto, não há previsão para isso. O EI Plus acertou a transmissão das quatro primeiras rodadas das Eliminatórias apenas. E o BandSports somente o jogo do Brasil contra o Uruguai. A Globo tem direito a transmitir todos os jogos de Brasil e Argentina como mandantes.

Quanto o EI Plus (Turner) pagou para passar Uruguai x Brasil?

O acordo selado com a Mediapro previa que a Turner não precisaria pagar para ter o sinal dos jogos, mas uma parte do valor arrecadado com as assinaturas iria para a empresa espanhola. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.