Diego Vara/Reuters
Diego Vara/Reuters

Entenda como o Athletico-PR se firmou nos últimos anos como um dos grandes do Brasil

Time se consolida após ganhar Copa Sul-Americana, em 2018, e a Copa do Brasil, nesta quarta-feira

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

18 de setembro de 2019 | 23h27

A conquista da Copa do Brasil de 2019, garantida nesta quarta-feira, consolidou o Athletico-PR em um novo patamar no futebol brasileiro. A equipe superou nos últimos anos a esfera estadual para vencer torneios internacionais e nacionais. O clube curitibano conseguiu tais feitos ao melhorar a organização e criar um planejamento vitorioso. O Estado explica essa revolução.

1º Capítulo - A infraestrutura

O clube rubro-negro iniciou uma reformulação a partir de 1995, dias depois de ser goleado pelo rival Coritiba por 5 a 1, pelo Campeonato Paranaense. A diretoria passou por uma reformulação, com a entrada do presidente Mario Celso Petraglia, e uma proposta de modernização total. O Athletico-PR apostou na década de 1990 na revitalização do CT do Caju e na Arena da Baixada, primeiro estádio brasileiro a ter naming rights.

2º Capítulo - Captação de talentos

A base do Athletico-PR conseguiu neste século encontrar jovens jogadores pelo Brasil e transformá-los em atletas consagrados. Uma parceria com o clube PSTC, de Londrina, rendeu a descoberta de nomes como Jadson, Fernandinho, Dagoberto e Kléberson, campeão da Copa de 2002. Nos últimos anos, o departamento de inteligência do clube encontrou em outros Estados jogadores importantes, a exemplo do lateral Renan Lodi e do volante Bruno Guimarães.

3º Capítulo - Planejamento sem Estaduais

Desde 2013 o clube resolveu escalar no Campeonato Paranaense apenas jogadores do time sub-23. Com isso, o elenco principal consegue ter uma pré-temporada mais longa, disputar amistosos e iniciar as competições nacionais com mais fôlego. Ao abrir espaço para garotos, o Athletico-PR consegue também descobrir alguns talentos, como foi o caso do próprio Bruno Guimarães.

4º Capítulo - Sem medo de arriscar

A equipe se mostrou nos últimos anos como visionária em diversos aspectos. Como treinador, já teve o alemão Lothar Matthäus, o espanhol Miguel Ángel Portugal e o português Sérgio Vieira. Na comissão técnica, apostou na criação de um minucioso departamento de inteligência e análise estatística. O clube brigou nos bastidores por contratos de transmissão, chegou a transmitir um clássico com o Coritiba pelo YouTube e instituiu o cadastramento obrigatório para a torcida, por medida de segurança. 

5º Capítulo - Confiança em Tiago Nunes

O Athletico-PR estava na zona de rebaixamento no Brasileiro de 2018 quando resolveu demitir o técnico Fernando Diniz e promover o jovem Tiago Nunes. O antigo técnico da base assumiu o elenco principal, deu espaço para revelações e fechou a temporada 2018 com o título da Copa Sul-Americana, primeira taça internacional da história da equipe. O trabalho continuou em 2019, com novos feitos relevantes.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.