Entidade faz campanha contra sigilo dos gastos da Copa 2014 e da Olimpíada 2016

Projeto Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios quer veto ou alteração de artigos da RDC

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

17 de junho de 2011 | 11h38

SÃO PAULO - A sociedade civil prepara uma ofensiva para tentar barrar os artigos do Regime Diferenciado de Contratações (RDC) que permitirão o sigilo em relação aos orçamentos de obras de infraestrutura e construção de estádios para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016 e também os que dão poderes ilimitados à Fifa e ao Comitê Olímpico Internacional (COI) para definir gastos e inflar os orçamentos. Uma das ações será coordenada pelo projeto Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios. A intenção é pressionar deputados, para que vetem ou alterem tais artigos.

"Vamos fazer um intenso trabalho de mobilização de setores da sociedade e também um corpo a corpo no Congresso. Esse regime diferenciado vai completamente contra todo o conceito de transparência", diz o coordenador do Comitê Nacional de Mobilização dos Jogos Limpos, Felipe Saboya. O projeto, lançado há três meses, visa a promover a transparência e a integridade sobre os investimentos ligados aos dois eventos esportivos, por meio de monitoramento e controle social.

O Jogos Limpos prepara uma nota oficial de repúdio a ser enviada a congressistas e órgãos do governo federal, como a Casa Civil e ministérios envolvidos com a Copa e a Olimpíada. E, entre os dias 21 e 28 de junho, estará na Câmara conversando com parlamentares e líderes do partido. O RDC está incluído em medida provisória que terá seus destaques votados justamente no dia 28 de junho.

De acordo com Felipe Saboya, a Confea (Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia), entidades de servidores e órgãos de controle como Ministério Público já se mostraram contra o RCD.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.