Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Entorno do Castelão, em Fortaleza, só vai ficar pronto em 2014

Do lado de fora do estádio onde Brasil e México se enfrentam na quarta-feira, ainda há muito a se fazer e sobram lama e poeira

Almir Leite e Sílvio Barsetti - Enviados Especiais, O Estado de S. Paulo

18 de junho de 2013 | 08h00

FORTALEZA - Trechos de ruas recebendo asfalto, gramado sendo plantado, calçadas ainda em fase de construção – outras simplesmente inexistem –, sinalização ainda por fazer, guias em processo de colocação e pintura. Muita poeira e lama, muita lama. Assim estava o entorno do Castelão na manhã de segunda-feira, a pouco mais de 48 horas do jogo entre Brasil e México pela Copa das Confederações.

 

Apesar de ser o primeiro estádio entregue, em dezembro passado, e reinaugurado em janeiro deste ano, o lado externo ainda está em obras. E vai permanecer assim por um bom tempo, pois o túnel que liga uma avenida que passa ao lado da arena, a Paulino Rocha, à Via Expressa, só ficará pronto para a Copa do Mundo do ano que vem.

 

Há no local um imenso buraco, com terra e lama, cercado por tapumes. Em vários deles, está escrita a mensagem: "Uma obra show de bola". O túnel, porém, não ficaria pronto agora e isso o cronograma já indicava. Também é verdade que desde janeiro, quando o Estado esteve no Castelão para sua reinauguração, muita coisa foi feita. Principalmente as intervenções viárias.

 

O alargamento da Avenida Alberto Craveiro, que faz a ligação do aeroporto com o estádio, estava ainda na fase da terraplenagem. Hoje, está praticamente pronto, embora falte calçada em alguns pontos e um outro trecho recebia asfalto no início da tarde de segunda-feira. Também não há sinalização. A Paulino Rocha também evoluiu muito, apesar de a 100 metros do Castelão ontem de manhã homens e máquina corriam para construir o canteiro central.

 

Apesar do corre-corre, os responsáveis pelas obras só enxergavam aspectos positivos. "Estamos com 98% da obra terminada e dando uma arrumada para deixar a obra pronta e não deixar nem um resto de obra que possa causar acidentes e para que o fluxo das pessoas ocorra sem problemas", disse ao Estado Samuel Dias, secretário municipal de Infraestrutura de Fortaleza. "Na terça-feira ao meio-dia encerraremos todos os trabalhos de arrumação."

 

Há quem entenda ser impossível cumprir tal prazo, e até mesmo que tudo fique pronto até quarta-feira. "Não vai dar não, moço", avisou um operário que construía a calçada de acesso ao setor 2 do estádio - do outro lado da rua máquinas jogavam asfalto num trecho da Paulino Rocha.

 

Enquanto ele se esbaforia carregando blocos feitos com cimento, o secretário extraordinário da Copa (Secopa) de Fortaleza, Domingos Neto, garantia: "Tudo vai ficar pronto, sim". E comemorava: "Ninguém acreditava que a gente conseguiria entregar o acesso viário e conseguimos."

 

Neto definiu a movimentação no entorno do Castelão como "retoques finais". "É pintura do meio-fio (guia) e sinalização. Iniciaremos terça-feira a parte de decoração. No canteiro central, haverá uma operação de paisagismo."

 

Esse paisagismo é a colocação de floreiras imensas em vários pontos do canteiro, cujo chão é de brita. Para 2014, a promessa é que seja construída uma ciclovia no local. Com tantos "retoques finais" – um deles, o amplo estacionamento para os convidados vips estava com a terraplenagem feita, mas faltava a colocação da brita – lama é o que não falta.

"Posso garantir que estará tudo limpo", afirmou o secretário da Infraestrutura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.