ENTREVISTA-Brasil teme ficar de fora da Copa, diz Etcheverry

As apertadas classificações do Brasilpara os últimos dois Mundiais o levaram a vetar jogos na cidadede La Paz, que, por sua altitude, cairia fora das eliminatóriassul-americanas para a Copa do Mundo por decisão da Fifa, disseo ex-jogador boliviano Marco Antonio Etcheverry. Nove das dez associações que integram a ConfederaçãoSul-Americana de Futebol (Conmebol) reiteraram o apoio àdisputa das eliminatórias para a Copa de 2010 em cidades degrande altitude, especialmente La Paz, apesar da oposição daFifa. O Brasil votou em dissidência. Isto se deve, segundoEtcheverry, ao temor do pentacampeão mundial de ficar fora deuma Copa. "O Brasil sabe que a qualquer momento pode ficar de fora deum Mundial. Querem evitar riscos e a Bolívia é um lugarcomplicado para eles", disse na quinta-feira Etcheverry ementrevista por telefone à Reuters. "Nas eliminatórias de 93, quando nos classificamos, oBrasil se classificou em sua última partida, contra o Uruguai,então, ao ver o risco, mudou-se toda a eliminatória para quejogassem todos contra todos, evitando a possibilidade de ficarde fora", acrescentou o ex-jogador. Em março, a Fifa ratificou restrições para jogar em grandesaltitudes. As medidas consideram uma adaptação de três diaspara duelos acima de 2.500 metros de altura, uma semana parapartidas em altitudes acima de 2.750 metros e duas semanas depreparação em caso de estádios acima de 3.000 metros. No entanto, sua recente decisão, que afirma que "aliberação de jogadores (pelos clubes) é de quatro dias paraestas partidas oficiais (classificatórias)", inabilitadefinitivamente o estádio Hernando Siles, de La Paz. "El Diablo" Etcheverry, que foi uma figura importante paraos últimos e melhores períodos da seleção de seu país, afirmouque apesar do que se acredita, os rivais não perdem opções aojogar em La Paz se contarem com uma boa preparação. "O Chile nas eliminatórias passadas nos deu um baile em LaPaz, jogando futebol espetacular, então não há desculpas",afirmou Etcheverry, de 37 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.