Equatorianos festejam feito histórico

Quito está vivendo uma noite de carnaval. Já no estádio Olímpico de Atahualpa o estoque de cerveja, que tinha acabado no final do jogo, foi reforçado pela companhia que patrocina o evento. Segundo estimativa da Polícia, a previsão é de que os torcedores passem a madrugada inteira festejando a vitória inédita sobre a seleção brasileira: 1 a 0, pelas Eliminatórias para a Copa de 2002.Pelo menos na saída do estádio, não houve grandes confusões. Preocupadas com eventuais problemas, as autoridades decidiram estender o turno de trabalho do efetivo que trabalhou no jogo. A Polícia de Choque também foi requisitada e prometeu acompanhar os torcedores até o amanhecer se fosse necessário.As comemorações foram bem abrangentes. Nem o técnico Hernán Darío Gomes, da seleção equatoriana, escapou da euforia. Ainda na conferência de imprensa, ele até se negou a fazer uma análise do que foi a vitória de sua equipe. "Nem vou analisar a partida porque eu acho que seria mais fácil classificar o Equador para a Copa do Mundo do que ganhar do Brasil. Essa vitória vai ficar marcada no coração do nosso povo".As festividades se concentraram na avenida Amazona, no bairro de La Mariscal, no centro-norte da cidade, o centro comercial e financeiro de Quito - uma espécie de avenida Paulista em São Paulo. Um enorme congestionamento tomou conta de toda a cidade. Nos bairros mais afastados, famílias inteiras saíram às ruas para acompanhar as carreatas e os buzinaços. Grupos folclóricos de dança podiam ser vistos pelas ruas e confundiam a sua música com o batuque sem ritmo dos torcedores. As principais emissoras de rádio de Quito interromperam a programação normal para transmitir a festa da torcida equatoriana. As emissoras de tevê repetiam a todo instante o gol de Delgado que deu a vitória ao Equador. Os dirigentes da Federação Equatoriana, porém, não confirmaram nenhum tipo de comemoração do time. Mas, na saída do estádio, correu a informação de que uma boite chique da cidade seria reservada para os jogadores e seus familiares."Vencer o Brasil é como ganhar uma Copa do Mundo", resumia um repórter esportivo da Nueva Emissora Central. Verdade ou não, o fato é que o torcedor equatoriano comemorou como se a sua seleção acabasse de ganhar uma Copa do Mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.