Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Equilíbrio e amizade ditam parceria de Carille e comissão técnica no Corinthians

Walmir Cruz e Cuca foram contratados para ajudar o treinador corintiano a encontrar o caminho dos títulos

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2018 | 07h00

Fábio Carille surpreendeu muita gente no ano passado, deixando de ser auxiliar e interino para se tornar técnico do Corinthians. Em seu primeiro ano, ele teve aproveitamento espetacular, conquistando o Paulista e o Brasileiro. O sucesso, grande e imediato, no entanto, foi construído em alicerce firme, numa comissão formada por Cuca e Walmir Cruz.

+ Polêmicas e histórias dão peso extra à decisão entre Corinthians x Palmeiras

Leandro da Silva, o Cuca, é seu auxiliar técnico e Walmir Cruz, o preparador físico. Ambos foram contratados pelo próprio Carille para compor sua comissão pessoal. Ou seja, se ele deixar o Corinthians, os assessores vão junto. Ainda trabalham no dia a dia com o técnico, Osmar Loss e Fabinho (ambos auxiliares), entre outros. Mas estes foram contratados pelo clube para a comissão técnica. 

Por isso, confiança e companheirismo são fundamentais para o sucesso do trio. “Uma das maiores virtudes do Fábio é ouvir a comissão em todas as decisões. Desde reforços, até mudanças no time e treinos. Nunca somos pegos de surpresa e, várias vezes, um convence o outro sobre determinadas coisas”, explicou Cuca, de 43 anos. “Mas a palavra final é dele.”

Tanto Cuca quanto Walmir garantem ter temperamento parecido com o de Carille. Assim, o trio raramente discute e, mesmo quando surgem opiniões distintas, conseguem se entender sem ressentimentos. 

Como a comissão é formada por outros membros, não existe predileção do treinador por seus auxiliares. Porém, é inevitável que Cuca e Walmir sejam os mais próximos. “Temos uma equipe forte e de muita integração de todos. O mais importante é que não há inveja e ninguém no grupo tenta derrubar o outro”, comenta Walmir Cruz, o mais experiente dos três amigos. “Eu sou mais rodado e às vezes isso ajuda, pois o futebol é muito repetitivo e a gente consegue falar o que vai ou não vai acontecer em campo”, diz.

Os três também são amigos fora do CT. Algumas vezes, eles saem para jantar e suas famílias são próximas. O relacionamento de Walmir e Carille começou em 2009, quando o preparador trabalhou no Corinthians e o atual treinador era auxiliar de Mano Menezes. “Ele sempre me falou que, se tivesse oportunidade, me traria de volta. Deu certo”, comemorou Walmir. 

Como Cuca é auxiliar de Carille, seria lógico imaginá-lo como um técnico no futuro, certo? Errado. “Já tive oportunidade de ser treinador, mas não me vejo mais no cargo nem penso em assumir o Corinthians no futuro. Isso eu deixo para o Osmar”, brincou, lembrando do outro auxiliar de Carille.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.