Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Equipe do ‘Estado’ analisa chances de classificação do Corinthians na Libertadores

Time de Tiago Nunes enfrenta o Guaraní-PAR nesta quarta-feira, em Itaquera

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2020 | 12h00

Jornalistas do Estado analisam o jogo desta quarta-feira entre Corinthians e Guaraní, do Paraguai, pela pré-Libertadores, em Itaquera. Após derrota por 1 a 0 e Assunção, a equipe do técnico Tiago Nunes precisa vencer por dois gols de diferença. O retrospecto preocupa o torcedor: em 2011, o Corinthians caiu na pré-Libertadores para o Tolima, também cotado cpomo mais fraco. Em 2015, o time do Brasil foi eliminado pelo mesmo Guaraní nas oitavas de final, com derrotas de 2 a 0 em Assunção e 1 a 0 em São Paulo. Veja o que nossos especialistas escreveram sobre a partida.

 

É preciso controlar os nervos e jogar com intensidade

Mais do que o Guaraní, o Corinthians terá de superar o nervosismo para seguir em frente na Libertadores da América. Um tropeço vai comprometer toda a temporada, tanto no aspecto técnico quanto no financeiro. No entanto, são boas as chances de passar de fase.

Apesar da derrota, o Corinthians não atuou tão mal assim em Assunção. Faltou objetividade e mais tranquilidade no momento de concluir as chances que teve. Controlando os nervos, corrigindo as falhas do lado esquerdo da defesa, com o apoio da Fiel, determinação e a intensidade que Tiago Nunes tem proposto para o time, dá para classificar até com facilidade.

  • Almir Leite, editor assistente de Esporte

Hora de vencer, mesmo sem atuar bem

Sem contar as eventuais finais de campeonatos, a temporada de um grande clube brasileiro possui alguns jogos que são considerados essenciais para o bom desempenho do time durante todo ano. Uma derrota para um rival do interior na primeira fase do Campeonato Paulista, por exemplo, pode ser encarada como normal. Mas uma desclassificação em uma das fases prévias da Libertadores costuma ter um preço mais alto. Por isso, acredito que é a hora de o técnico Tiago Nunes mandar a campo nesta quarta-feira um Corinthians que seja muito mais efetivo e agudo em suas jogadas ofensivas. Entre jogar bem e vencer, é hora de privilegiar o resultado.

É verdade que o Corinthians reverteu a lógica "resultado ruim, treinador demitido" na Libertadores de 2011, quando o clube foi eliminado antes da fase de grupos da Libertadores pelo Tolima, da Colômbia, e mesmo assim manteve Tite como treinador. Assim, no mesmo ano, sagrou-se campeão brasileiro. Na temporada seguinte, conquistou a América e o Mundial de Clubes.

Mas nove anos depois, com uma proposta de jogo totalmente diferente (o time agora tenta ser mais ofensivo do que defensivo), o Corinthians de Tiago Nunes precisa continuar sua trajetória na maior competição do continente. Se não conseguir a classificação, o treinador deverá continuar no cargo. Mas terá pouca paz para desenvolver e entrosar a sua equipe.

  • Glauco de Pierri, editor assistente de Esportes

 

Desempenho é irregular, mas o Corinthians tem time para vencer

Desde a chegada do técnico Tiago Nunes, o Corinthians disputou oito partidas. Em sete sofreu pelo menos um gol. O único jogo que a equipe não foi vazada foi diante do Santos.

Esse retrospecto faz ligar o sinal de alerta para o jogo de quarta-feira, diante do Guaraní, em Itaquera. Se o Corinthians tomar um gol, terá de fazer três. Mal chegamos à metade do segundo mês do ano e a pressão já é enorme. O desempenho até aqui é irregular, mas o Corinthians tem time – e condições – para avançar na Libertadores. O único jeito de Tiago Nunes ter paz para trabalhar é passar pelo Guaraní, caso contrário o treinador vai conviver com a desconfiança de que o Corinthians é muita areia para o seu caminhão.

  • Raphael Ramos, editor assistente de Esportes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.