Christof Stache/ AFP
Christof Stache/ AFP

Equipes da Alemanha criam fundo de R$ 110 milhões para ajudar clubes em crise

Período de suspensão da primeira e segunda divisão do futebol alemão foi prorrogado até 30 de abril

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2020 | 19h26

Borussia Dortmund, Bayern de Munique, RB Leipzig e Bayer Leverkusen se juntaram e anunciaram nesta quinta-feira a criação de um fundo solidário de 20 milhões de euros (R$ 110 milhões), com o intuito de ajudar clubes alemães, das duas primeiras divisões, a enfrentarem possíveis crises derivadas da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

O Campeonato Alemão voltaria à normalidade em abril. Contudo, o Comitê Executivo da Liga Alemã de Futebol (DFL, na sigla em alemão) prorrogou na última terça-feira o período de suspensão da primeira e segunda divisão do futebol nacional até 30 de abril, o que aprofundará, ainda mais, o impacto das receitas dos clubes do país.

O Borussia Dortmund afirmou que as quatro equipes da Alemanha, que disputam ou disputaram a Liga dos Campeões da Europa nesta temporada, renunciaram parte de sua receita nacional de mídia - cerca de 12,5 milhões de euros (R$ 68,5 milhões) - e adicionaram outros 7,5 milhões de euros (R$ 41 milhões) para o fundo.

"Estamos preparados para ajudar outros profissionais do futebol, clubes. Em última análise, é uma questão de amortecer os efeitos da pandemia", esclareceu Hans-Joachim Watzke, CEO do Borussia Dortmund, em comunicado oficial divulgado nesta quinta-feira.

Não é a primeira vez que clubes alemães ajudam uns aos outros em situações de crises econômicas. Em 2005, o Borussia Dortmund chegou à beira da falência. Contudo, em um gesto solidário, o Bayern de Munique realizou um empréstimo, sem juros, para o pagamento de salários atrasados aos jogadores.

Apesar de não terem discutido os critérios de divisão do fundo, a Liga Alemã agradeceu a iniciativa das equipes. "O Comitê Executivo da DFL é muito grato aos quatro participantes da Liga dos Campeões, pelo gesto em direção à nossa comunidade de clubes", disse Christian Seifert, porta-voz do Comitê Executivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.