Stoyan Nenov/Reuters
Stoyan Nenov/Reuters

Eriksen encerra contrato com a Inter de Milão em mútuo acordo seis meses após parada cardíaca

Dinamarquês de 29 anos solicitou o desligamento da equipe pela impossibilidade de jogar no futebol italiano com desfibrilador implantado

Redação, Estadão Conteúdo

17 de dezembro de 2021 | 12h52

A passagem de Christian Eriksen pela Internazionale de Milão chegou ao fim nesta sexta-feira de maneira amigável. O clube atendeu a solicitação do jogador de rescindir o seu contrato, que se estendia até 2024, pela impossibilidade de ele jogar com desfibrilador implantável no futebol italiano. O meia dinamarquês sofreu um mal súbito durante jogo com a Finlândia na Eurocopa e chegou a ser ressuscitado em campo. Disposto a não abreviar a carreira aos 29 anos, vai buscar novos centros para atuar.

"A Internazionale de Milão confirma um acordo para rescindir o contrato de Christian Eriksen por mútuo consentimento. O clube e toda a família Nerazzurri desejam a Christian tudo de melhor para o seu futuro", informou o clube italiano.

O regulamento das competições da Itália impede que Eriksen siga a carreira no país. 173 dias após o susto em campo, ele voltou a trabalhar com bola no modesto Odense, onde deu os primeiros passos na carreira ainda como juvenil. E pode resgatar a carreira, aos 29 anos, na equipe de sua cidade. Mas aguarda, também, possíveis propostas da Holanda. Ele se profissionalizou no Ajax, ao qual sonha defender. Mesmo vítima de parada cardíaca, o dinamarquês pode jogar no país.

"Embora Inter e Christian estejam agora se separando, o vínculo nunca será quebrado. Os bons momentos, os gols, as vitórias, aquelas celebrações do scudetto com torcedores fora de San Siro, tudo isso ficará para sempre na história dos nerazzurri", homenageou a Inter.

Eriksen vinha recebendo tratamento médico na Inter e jamais admitiu a hipótese de abandonar os gramados. Assim que foi informado sobre a proibição da Federação Italiana em liberar jogadores com cardioversor desfibrilador implantável (CDI) em suas competições, ele buscou a diretoria para um acordo, que ocorreu nesta sexta-feira. Foram somente 60 jogos pelo clube em quase dois anos em Milão e a conquista do título italiano de 2020/21.

"Christian foi uma figura chave em nossa marcha para o Scudetto. Eriksen contribuiu com sua visão, intuição, passes, assistências e gols, incluindo alguns grandes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.