Adrian DENNIS / AFP
Adrian DENNIS / AFP

Eriksen se divide entre ganhar estátua no Brentford e chance em gigantes ingleses

Manchester United, Tottenham e novo rico Newcastle estariam interessados em contar com dinamarquês, que se recuperou de parada cardíaca na Euro e deve disputar a Copa do Mundo do Catar

Redação, Estadão Conteúdo

19 de maio de 2022 | 17h14

Após sobreviver a uma parada cardíaca enquanto defendia a Dinamarca na Eurocopa, em junho de 2021, o meio-campista Christian Eriksen viu sua carreira como jogador de futebol ser colocada em risco. Por isso, não poderia imaginar que, quase um ano depois, estaria valorizado no mercado, apontado como alvo de times protagonistas da Europa, enquanto lida com o clamor para permanecer no Brentford, clube que abriu as portas para que retomasse a carreira após o incidente assustador do ano passado.

Ciente das especulações envolvendo um de seus principais jogadores, o técnico do Brentford, Thomas Frank, falou, em coletiva nesta quinta-feira, sobre as possibilidades abertas ao dinamarquês graças ao sucesso obtido no retorno aos gramados. No cenário ideal imaginado por Frank, Eriksen continuaria no time e teria uma estátua erguida pelos próprios torcedores em pouco tempo. Ele sabe, contudo, que o desfecho pode ser bem diferente.

"Eu adoraria dizer que é 100% (a chance de Eriksen ficar), mas estou convencido de que há uma boa chance de que ele continue vestindo a camisa do Brentford", afirmou Frank. "Ou ele assina com a gente e todos ficam felizes, e os torcedores vão construir uma estátua para ele fora do estádio em dois ou três anos, ou ele vai jogar em um time de um nível mais alto e os torcedores vão aplaudir e dizer: ‘Obrigado por tudo'. Ele deus aos torcedores algo que eles nunca viram nesse nível’", completou.

A incerteza sobre a permanência se dá em razão dos times que estão sendo especulados pela imprensa europeia como possíveis destinos do meio-campista de 30 anos. Só na Inglaterra, a lista de potenciais interessados tem Manchester United e Newcastle. O Tottenham, equipe na qual Eriksen jogou por seis temporadas e meia, também estaria entre os concorrentes.

Toda a jornada vivida pelo dinamarquês colocou olhares atentos em cima dele. Depois de se recuperar do mal súbito, passou por uma cirurgia para colocar um cardioversor desfibrilador implantável (CDI), destinado à regulação da frequência cardíaca. Como o uso do aparelho não é permitido no futebol italiano, precisou aceitar um acordo com a Inter de Milão, clube ao qual pertencia na época, e teve o contrato rescindido em dezembro de 2021.

Então, no final de janeiro de 2022, o meia foi anunciado como reforço do Brentford, com um contrato curto válido até 30 de junho. Em seu quarto jogo, no início de abril, marcou o primeiro gol pelo clube em uma partida inesquecível para os torcedores: a goleada por 4 a 1 sobre o Chelsea, no Stamford Bridge. Foi o único gol dele em dez jogos.

De qualquer forma, teve boas atuações e contribuiu com quatro assistências. Com Eriksen em campo, o Brentford perdeu apenas duas partidas, empatou outras duas e venceu sete. Assim, está tranquilo no meio da tabela do Campeonato Inglês, com 46 pontos, enquanto espera para se despedir da temporada em duelo com o Leeds, no domingo. Pode ser o último jogo do dinamarquês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.