Eriksson aposta na experiência para ajudar marfinenses

O técnico da Costa do Marfim, Sven-Goran Eriksson, demonstrou estar otimista para a Copa do Mundo de 2010. Comandante da seleção inglesa nos Mundiais de 2002 e 2006, ele afirmou nesta sexta-feira que aposta em sua experiência para se classificar no grupo de Brasil e Portugal.

AE-AP, Agência Estado

30 de abril de 2010 | 16h37

"Em grandes torneios como uma Copa do Mundo ou uma Eurocopa, você aprende muito", explicou o treinador de 62 anos, eliminado em 2002 pelo Brasil e quatro anos depois por Portugal. "Claro que é um grupo difícil. Tem um dos melhores times do mundo, o Brasil. E Portugal, que tem um dos melhores jogadores da atualidade, Cristiano Ronaldo. Mas eu já os encontrei em Mundiais com a Inglaterra".

Preocupado também com a Coreia do Norte, outra adversária da primeira fase, Eriksson contou que já começou a analisar a seleção asiática. "Tenho alguns vídeos da Coreia do Norte. Eles já começaram a se preparar e estarão em excelente condições depois de treinar juntos por um mês. É um luxo, se comparado ao calendário europeu", avaliou.

Eriksson elogiou ainda alguns de seus jogadores, como o atacante Drogba e os irmãos Toure. "Não conheço Drogba muito bem, mas me parece um homem muito claro. E como jogador de futebol, é o top dos tops. Há ainda alguns outros bons jogadores, como os irmãos Toure, um do Barcelona (Yaya) e outro do Manchester City (Kolo)", destacou.

Embora elogie o potencial da seleção africana, Eriksson reconheceu que terá uma grande desafio pela frente. "A Costa do Marfim é um grande desafio. E era uma Copa do Mundo, então não tive dúvidas: aceitei o trabalho. Agora, depende de mim e dos jogadores para montarmos um bom time", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.