Erros são o destaque no clássico San-São

Clássico das falhas termina com vitória do São Paulo; santistas reclamam de pênalti não marcado

Tercio David, estadao.com.br

10 de fevereiro de 2008 | 19h02

Logo após o apito final do clássico deste domingo, no Morumbi, tanto os vitorioso são-paulinos quanto os vencidos santistas lamentavam as mesmas coisas: os erros. No jogo em que o São Paulo ganhou por 3 a 2, Fábio Santos reconheceu que a zaga do time tricolor errou no primeiro gol, de Kleber Pereira.   Veja também:  São Paulo aproveita falhas do Santos e vence o clássico   "O erro que a gente teve foi uma bola mau metida no Aloisio que acabou virando um contra-ataque para o Santos. Foi uma saída de jogo errada, que acabamos ficando sem a sobra na defesa e por isto o Kleber saiu na cara do Rogério", explicou o são-paulino. "Isto não pode acontecer, mas aconteceu. Temos que conversar para não ocorrer novamente."   Já no Santos, a reclamação maior aconteceu no final do jogo, quando o mesmo Kleber Pereira poderia ter definido o jogo para os santistas aos 40 minutos do segundo tempo. Depois de disputa na área, o atacante cortou Miranda no bico da pequena área e, quando se preparava para bater para o gol, o zagueiro são-paulino  desviou com o braço quando estava caído. A bola sobrou para Rogério Ceni, que defendeu.   O árbitro Antônio Rogério Batista do Prado mandou o jogo seguir e, na seqüência, Carlos Alberto marcou o gol que deu a vitória ao São Paulo. Para Alemão, que terminou o jogo com um cartão amarelo por reclamação, o pênalti foi claro. "A bola pegou na mão do Miranda. O Kleber cortou e ia fazer o gol, mas ele cortou com a mão. Reclamei com o juiz e ele me deu cartão"   Envolvido no lance, o são-paulino Miranda disse que foi tudo normal, mas não negou que a bola tenha batido no seu braço. "Não foi nada no lance. Nem o Kleber reclamou", disse o zagueiro. Após a jogada, Kleber Pereira foi ao desespero pelo pênalti não marcado.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos FCSão Paulo FCPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.