Cesar Greco/ SE Palmeiras
Cesar Greco/ SE Palmeiras

Escalado no ataque, Gabriel Menino destaca versatilidade no Palmeiras

Jovem palmeirense também pode ser utilizado como volante e lateral-direito

Redação, Estadão Conteúdo

25 de novembro de 2020 | 22h14

Um dos destaques da vitória por 3 a 1 do Palmeiras sobre o Delfín, nesta quarta-feira, Gabriel Menino apontou a versatilidade como uma de suas virtudes. O jogador vinha atuando na lateral direita antes de ser diagnosticado com covid-19 enquanto treinava com a seleção brasileira, mas foi escalado no setor ofensivo no duelo no Equador, pelas oitavas de final da Libertadores.

Com os vários desfalques no ataque - apenas Rony e Gabriel Silva estavam à disposição - o técnico Abel Ferreira escalou Marcos Rocha na lateral direita e Menino para atuar como um meia-atacante pela direita em uma linha de três, ao lado de Zé Rafael e Lucas Lima, com mais liberdade para chegar ao ataque, já que o meio de campo ficou protegido com Ramires e Patrick de Paula.

A estratégia deu resultado e, em uma das chegadas ao ataque, o jovem anotou o gol que abriu o placar no Equador. No lance, ele finalizou rasteiro e contou com a contribuição do goleiro Banquera. Rony e Zé Rafael também marcaram. Ramirez fez contra o gol de honra dos anfitriões.

"Eu posso jogar em muitas posições. Sou versátil. Ele (Abel Ferreira) conversou comigo e perguntou se eu jogaria na posição. Falei que sim. Pediu para que eu fosse para o um contra um e para que eu achasse o Rony, porque meus cruzamentos são muito bons", explicou Menino na entrevista coletiva após o jogo.

Em campo, o Palmeiras superou os desfalques e aproveitou a fragilidade do Delfín para encaminhar a vaga às quartas da Libertadores. O time alviverde dominou boa parte da partida e poderia ter saído até com uma goleada do Equador. O resultado deixa a equipe de Abel Ferreira muito confortável, com a vantagem de poder empatar ou até perder por um gol de diferença, mas o discurso é de cautela.

"Nenhuma equipe que disputa a Libertadores é fraca. O Delfín não chegou nas oitavas à toa. Todos tem os méritos de estarem aqui. Cada jogo é uma guerra, uma batalha, independente de quem esteja do outro lado. A gente tem que entrar concentrado o máximo possível na semana que vem", ressaltou.

Para o duelo da volta, na próxima quarta-feira, no Allianz Parque, o Palmeiras deverá ter a volta de jogadores importantes, como Viña, Gustavo Scarpa, Raphael Veiga, Gabriel Verón e Willian, infectados pelo coronavírus.

"Somos uma equipe muito forte. Independente de quem não está, nosso elenco é muito bom e cada um dá o seu melhor em campo. O professor conversa muito com a gente e deixa a gente muito confiante para jogarmos", observou Menino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.