Ng Han Guan/AP
Ng Han Guan/AP

Escândalo de corrupção cancela Brasil x Argentina, em setembro

Confederação Brasileira negocia amistoso contra Costa Rica

Jamil Chade, Correspondente em Genebra, O Estado de S. Paulo

16 de julho de 2015 | 18h51

A prisão de empresários no escândalo de corrupção na Fifa e o confisco de bens de executivos no Rio de Janeiro obrigam a CBF a sair em busca de novos parceiros e cancela o jogo que estava marcado para ocorrer contra a Argentina em setembro nos EUA. No lugar de disputar a partida contra os maiores rivais no continente, a CBF pode ter de transferir o jogo para a Costa Rica, onde enfrentaria a seleção local. 

Há duas semanas, o Estado revelou com exclusividade que a CBF ainda mantinha o jogo com a Argentina, válido pelo Superclássico, evento criado pelo ex-presidente José Maria Marin e que era realizado pelas empresas Fullplay e pela Klefer.

A Fullplay, porém, teve seus dirigentes detidos por corrupção, enquanto a Klefer teve seus bens congelados, no âmbito da mesma investigação. Nos EUA, onde a partida ocorreria, parceiros comerciais se recusaram a assinar contratos. 

Ao Estado, um dos organizadores da partida, Guillermo Tofoni, apontou que a Argentina está ainda disposta a jogar contra o Brasil, mesmo fora do esquema do Superclássico. “Seria um jogo amistoso, sem o envolvimento das empresas”, indicou o empresário, apostando ainda na data de 5 de setembro em San Francisco. 

Segundo ele, porém, a opção apresentada pelo Brasil era de disputar um amistoso contra a Costa Rica, em San José. A CBF, em email à reportagem, indicou que ainda estuda opções. “A CBF está avaliando outras possibilidades de adversários para o amistoso do dia 5", indicou. 

Mas jogar contra a Costa Rica não seria sem riscos. A federação local está sem presidente, já que o dirigente, Eduardo Li, também está preso em Zurique. Ele foi indiciado pelo FBI e aguarda sua extradição aos EUA. 

O jogo em San José, porém, poderia ser mais confortável para a direção da CBF que não precisaria viajar até os EUA. Marco Polo Del Nero, presidente da entidade, está sendo investigado pelos americanos por envolvimento em esquemas de corrupção, inclusive envolvendo a Fullplay.

Em setembro, o Brasil também enfrenta os EUA, na casa do adversário e as duas partidas seriam as únicas para preparar a seleção antes do começo das Eliminatórias para a Copa do Mundo, a partir de outubro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.