Escolha de árbitro é mais uma polêmica para o clássico

CBF define para o duelo deste domingo Salvio Spínola Fagundes Filho, desafeto dos são-paulinos

Juliano Costa e Marcius Azevedo, Jornal da Tarde

16 de outubro de 2008 | 20h16

Se já não faltava polêmica para o clássico de domingo entre Palmeiras e São Paulo, a Comissão de Arbitragem da CBF tratou de aumentá-la um pouco mais ao sortear o árbitro Salvio Spínola Fagundes Filho para apitar o confronto no Palestra Itália. Veja também:PM não prevê segurança especial para o vestiário do São PauloJogador da base do São Paulo morre em acidente Vote: Quem ganha o clássico deste domingo? Resultados e classificação do Brasileirão Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão A indicação não foi bem aceita nem por são-paulinos, nem por palmeirenses. E pelo mesmo motivo: o polêmica gol anulado de Adriano no clássico contra o Corinthians, em janeiro, ainda pelo Campeonato Paulista. No lance, Salvio marcou falta do atacante no zagueiro William em uma disputa de bola. O gol daria a vitória ao São Paulo. À época, o São Paulo entrou com uma representação contra o árbitro na Federação Paulista de Futebol. Coincidentemente, depois isso, ele nunca mais apitou a um jogo do clube. O primeiro será o clássico contra o Palmeiras. "Faz um bom tempo que ele não apita um jogo nosso. Da última vez não foi muito feliz, mas é um árbitro importante. Tanto que apitou Paraguai e Peru pelas Eliminatórias", afirmou o vice-presidente de futebol do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, citando o jogo da última quarta-feira, com vitória por 1 a 0 dos paraguaios. "Esperamos dele uma conduta compatível com a posição que ele ocupa, uma atuação que não gera reclamações." Leco tentou inclusive minimizar o episódio ocorrido no Paulistão. "Não vetamos, fizemos apenas uma recomendação para ele não ser mais escalado por causa de uma atuação que, na nossa opinião, prejudicou muito o São Paulo naquela oportunidade." Justamente por conta disso, o técnico Vanderlei Luxemburgo também se mostrou preocupado e, claro, aproveitou para marcar terreno. "O Salvio é um bom árbitro. Ele teve esse episódio com o São Paulo e espero que ele não se sinta pressionado por isso e acabe errando. Nós também ficaremos de olho", avisou. Os jogadores, por sua vez, adotaram um discurso político e trataram de elogiar o árbitro que apitará o clássico. "O que aconteceu contra o Corinthians já faz muito tempo, e acho que como todo ser humano, ele tem o direito de errar", afirmou o são-paulino André Dias. "Não podemos julgar um árbitro por uma situação como essa. Assim como ele pode errar, nós jogamos também podemos. Além disso, estamos focados apenas na partida, pensando somente no Palmeiras." O mesmo fez Jorge Wagner. "Espero que ele possa ter refletido sobre o que fez, mas não acredito em má-fé. Ele é muito experiente e fará uma boa arbitragem." O palmeirense Elder Granja também aprovou o nome de Salvio. "É melhor um árbitro paulista, que, ao contrário dos gaúchos, não deixam o jogo correr muito", disse, lembrando que Carlos Eugênio Simon apitou o clássico do primeiro turno, com vitória são-paulina por 2 a 1, no Morumbi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.