Espanha provoca e se prepara para clima quente na final contra o Brasil

Vaiados durante a partida, espanhóis provocaram a torcida brasileira, que apoiava a Itália

Fernando Faro - Enviado especial, O Estado de S. Paulo

28 de junho de 2013 | 07h59

FORTALEZA - Vaiados pela torcida brasileira, que apoiou abertamente a Itália e chegou a gritar "olé" em alguns momentos, alguns jogadores da Espanha aproveitaram a vitória nos pênaltis para correr em direção à arquibancada e provocar os torcedores, atitude que gerou uma estrondosa vaia dos brasileiros, que momentos antes aplaudiam a vitória da campeã mundial. A atitude indica que o clima para a decisão será bastante quente.

A manifestação dos jogadores expõe a pilha de nervos em que se tornou a passagem de "La Roja" pelo país desde a divulgação de que o furto ocorrido no Recife poderia ser, na verdade, resultado de uma noitada envolvendo pôquer e prostitutas. A relação ficou ainda mais azeda após o grupo ter protagonizado nova confusão no hotel em Fortaleza - alguns atletas tentaram entrar com prostitutas no hotel e discutiram asperamente com funcionários ao serem barrados. Um jornalista espanhol chegou a escrever que as notícias eram "inventadas" pela imprensa brasileira por "medo" de um "novo Maracanazo" e não foram poucos os atletas que ignoraram os jornalistas brasileiros para falar apenas com os espanhóis.

Até mesmo o técnico Vicente del Bosque mostrou desconforto ao tratar do tema. Perguntado sobre a decisão com o Brasil, que era aguardada por todos, deixou nas entrelinhas o descontentamento. "Vamos ver se estamos à altura desse jogo para dar uma resposta à altura para os brasileiros", disse. Outros jogadores, no entanto, atribuem as vaias à rivalidade com o futebol espanhol, considerado o melhor do mundo no momento. "Acredito que as vaias foram porque a Espanha é a atual campeã mundial e isso parece normal, mas a gente sabe que os torcedores gostariam de ver essa final desde o começo", analisou Casillas. "Eles apenas mostraram seu sentimento, a nós cabia apenas jogar e tentar ganhar", emendou Iniesta.

CANSAÇO 

Del Bosque admitiu que os jogadores sentiram fisicamente e os minutos finais foram levados à base da raça. "Sorteio é sorteio, não tenho nenhuma desculpa para isso. Vamos nos preparar da melhor forma possível e trata-se de uma boa propaganda do nosso esporte. O Brasil tem a sua torcida", ponderou o treinador, que resolveu poupar Fabregas e Soldado porque os dois ainda sentiam um pouco de desconforto muscular e não estavam 100%.

O treinador não quis falar muito sobre o rival, mas fez uma breve análise da equipe de Luiz Felipe Scolari e chamou a atenção especialmente para os avanços de Daniel Alves e Marcelo. "São jogadores extraordinários, que conhecemos bem por atuarem na Espanha. Além deles tem o Neymar, que é um jogador fantástico. O Brasil tem uma coluna vertebral forte."

A Espanha viaja nesta sexta-feira pela manhã para o Rio e inicia sua preparação para a decisão à tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.