Feline Lim|Reuters
Brasileiro volta a ser protagonista no time comandado por Tite Feline Lim|Reuters

Brasileiro volta a ser protagonista no time comandado por Tite Feline Lim|Reuters

ESPECIAL: Neymar se aproxima de marcas históricas com a camisa da seleção brasileira

Atacante está próximo de passar Ronaldo Fenômeno em número de gols e 100 jogos pela seleção

Redação , O Estado de S.Paulo

Atualizado

Brasileiro volta a ser protagonista no time comandado por Tite Feline Lim|Reuters

O atacante Neymar é o principal jogador da seleção brasileira, o mais comentado e conhecido em todo o mundo, mas está longe de ser unanimidade no Brasil. Mesmo assim, o astro do Paris Saint-Germain tem batido marcas importantes e outras estão próximas de serem ultrapassadas também. Dentre outros feitos, ele deve passar o número de gols de Ronaldo Fenômeno

Enquanto volta a ser referência no time nacional, o brasileiro também reconquista seu espaço no Paris Saint-Germain. Após tentar deixar o clube no começo da temporada, o jogador não conseguiu seu objetivo, mas mostrou personalidade para se manter em alta. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Neymar pode igualar Fenômeno em gols pela seleção; veja números dos craques

Fifa reconhece apenas jogos entre seleções principais; atacante do PSG enfrenta Senegal na quinta-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2019 | 19h35

Neymar poderá alcançar no amistoso com Senegal, quinta-feira, Ronaldo Fenômeno em número de gols pela seleção. Em partidas reconhecidas pela Fifa, ou seja, jogos da seleção principal contra outras seleções principais, o atacante já balançou as redes 61 vezes e Ronaldo tem 62 gols. Na conta que incluem partidas do Brasil contra clubes, combinados e seleções de base, o Fenômeno tem 67 gols. O recordista, independentemente da contagem, é Pelé: 77 pelos critérios da Fifa e 95 nas contas da CBF.

Neymar já entrou em campo 99 vezes pela seleção brasileira e disputará a centésima partida no amistoso de quinta-feira. O jogo será em Cingapura às 9h (horário de Brasília). Foi no mesmo Estádio Nacional de Cingapura que ele marcou quatro dos seus 61 gols pelo Brasil em um amistoso com o Japão em 2014.

O primeiro jogo de Neymar pela seleção foi no dia 10 de agosto de 2010. A estreia não poderia ter sido melhor: gol e vitória do Brasil por 2 a 0 contra os Estados Unidos. O técnico da seleção à época era Mano Menezes.

Pela seleção, o craque conquistou até agora apenas o título da Copa das Confederações de 2013. Uma lesão no ligamento do tornozelo direito sofrida nos primeiros minutos do amistoso diante do Catar o impediu de defender o País na Copa América deste ano.

Na atual temporada, Neymar pouco atuou pela seleção. Entrou em campo apenas três vezes. Antes da Copa América, enfrentou o Catar. Depois do torneio, o camisa 10 marcou um gol no empate em 2 a 2 com a Colômbia e, no jogo seguinte, teve atuação discreta no revés por 1 a 0 para os peruanos. Ambas as partidas foram disputados nos Estados Unidos.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Neymar admite erros na carreira e desabafa: 'recuperar a confiança custa caro'

Atacante do PSG e da seleção brasileira fala sobre seu momento e diz que vai em busca do prêmio de melhor jogador do mundo

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2019 | 15h23

Neymar quer acabar com a fase de ser notícias por diversos problemas extra-campo. Após ser suspeito de um estupro e tentar deixar o Paris Saint-Germain, o atacante brasileiro espera voltar a ser assunto pelos gols e grandes atuações. Em uma entrevista que foge do seu estilo, o jogador abriu o coração, admitiu ter cometido erros na carreira e contou que ainda sonha ser o melhor jogador do mundo, como Messi foi por seis vezes na carreira. 

"Errei várias vezes, e recuperar a confiança das pessoas custa caro", disse o atacante, em entrevista ao jornal inglês Mirror. "Acho que o ser humano falha, é normal, faz parte da vida. Crescemos e aprendemos com os erros. Eu quero ser o melhor jogador do mundo. Simples assim", completou o atleta, que marcou um golaço na vitória de sua equipe sobre o Lyon, na última rodada do Francês. Ele não teve nenhum voto na eleição dos melhores da Fifa nesta segunda-feira.

O jogador admitiu publicamente que gostaria de deixar o Paris Saint-Germain e isso arrumou a ele novas confusões. O clube francês chegou a negociar com o Barcelona, mas as conversas não evoluíram e ele foi obrigado a permanecer na Paris, onde parece não ser mais bem visto. Apesar disso, tem jogado bem em seu retorno ao time. Sem citar a negociação, o astro da seleção brasileira deixou claro sentir a pressão do momento que está vivendo na carreira. 

"Não sou uma pessoa que fala muito. Sou uma pessoa reservada, mas acabo ficando frustrado, com raiva, explodindo e não falo da forma certa. Estou tentando melhorar nisso", garantiu o atacante brasileiro. Ele acredita que os erros cometidos ao longo da vida o ajudarão a crescer como pessoa. "Às vezes é difícil, porque você tem de ser sempre perfeito. E é impossível, como ser humano, ser sempre perfeito. Eu fiz besteira diversas vezes e recuperar toda a confiança que tinha tem um preço alto. Mas é com esses erros que você cresce e aprende", comentou. 

Neymar ainda disse que seu pior momento na carreira foi o período de lesões. Ele sofreu com problemas físicos nas duas últimas Copas do Mundo, foi cortado da Copa América pelo mesmo motivo e também passou por dificuldades na temporada passada, pelo PSG, que não conseguiu sua classificação na fase derradeira da Liga dos Campeões. 

"O pior momento da carreira da atleta é quando ele se machuca. Tive duas sérias lesões em dois anos, e fiquei sem jogar futebol por praticamente seis meses. Senti falta de fazer gols. Futebol é minha paixão", lamentou.

Tudo o que sabemos sobre:
NeymarParis Saint-Germainfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Entre gols, lesões e muitas polêmicas, Neymar completa 100 jogos pela seleção brasileira

Contra Senegal, na quinta-feira, em Cingapura, atacante do PSG atinge marca de relevância no Brasil

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2019 | 16h15

Entre a euforia por dribles, gols e títulos, mas também desalento com lesões em momentos importantes da carreira e o envolvimento em polêmicas fora de campo, Neymar está prestes a completar 100 jogos pela seleção brasileira - não foram consideradas as partidas por seleções de base e olímpica. O craque alcançará a marca nesta quinta-feira, no amistoso diante de Senegal, às 9 horas (horário de Brasília), em Cingapura. Ele ficou fora da última conquista do time, a Copa América, e agora tenta recuperar o carinho e a confiança do torcedor.

O dia 10 de agosto de 2010 marcou a estreia do então atacante do Santos pela seleção principal. Na ocasião, o time era treinado por Mano Menezes, hoje técnico do Palmeiras. Com Neymar, o Brasil venceu aquele amistoso contra os Estados Unidos por 2 a 0. Foi também naquela partida que o hoje camisa 10 do Paris Saint-Germain fez seu primeiro gol pelo time nacional.

A trajetória de Neymar em seus 99 jogos pela seleção tem de tudo: perseguição em campo pelos adversários, lindos lances, fracassos, críticas, apoio dos jogadores, gols importantes, lesões sérias e uma taça levantada. Em pouco tempo, ele se tornou o quarto jogador com mais gols pela seleção. Balançou as redes 61 vezes, ostenta uma média de 0,62 e está, segundo a contagem da Fifa, a um gol de igualar Ronaldo, segundo maior artilheiro do time brasileiro. Pelé é o goleador máximo, com 77.

Seu melhor rendimento pelo Brasil foi alcançado em 2014, quando fez 15 gols em 14 jogos. No entanto, se foi bom individualmente, a temporada daquele ano terminou de forma melancólica para o astro, ao passo que se despediu da Copa do Mundo ainda nas quartas de finais, depois de levar uma joelhada nas costas de Zúñiga, no duelo com a Colômbia, em Fortaleza. Sem poder jogar, ele viu do camarote do Mineirão o Brasil ser humilhado pela Alemanha no fatídico 7 a 1.

Na atual temporada, Neymar pouco atuou pelo time de Tite. Entrou em campo apenas três vezes. A explicação pelos parcos minutos jogados pelo Brasil em 2019 foi a lesão no ligamento do tornozelo direito sofrida nos primeiros minutos do amistoso diante do Catar que o impediu de defender o País na Copa América. Após o torneio, que terminou com título brasileiro, o camisa 10 foi destaque com um gol no empate em 2 a 2 com a Colômbia e, no jogo seguinte, teve atuação discreta no revés por 1 a 0 para os peruanos.

ACUSAÇÃO  DE ESTUPRO

No início de junho, antes de sua lesão, enquanto se preparava para a Copa América, Neymar virou manchete por um motivo que não tem relação com o seu talento em campo. Ele foi acusado de estupro pela modelo Najila Trindade e teve de prestar depoimento à polícia civil. O caso se arrastou por várias semanas até a Justiça de São Paulo arquivar o inquérito no dia 8 de agosto por falta de provas. Se houver novas diligências, a investigação pode ser reaberta. Há outro inquérito ainda aberto, na Delegacia de Repressão aos Crimes Virtuais no Rio de Janeiro, que apura uma publicação de Neymar no Instagram que continha fotos íntimas da modelo.

Com seu nome envolvido em assuntos extracampo, Neymar, considerando os últimos jogos pelo PSG, voltou a se concentrar apenas em sua carreira. Em suas entrevistas, aparenta estar mais maduro, tanto que chegou a admitir que gostaria de ter deixado o time francês para voltar ao Barcelona. Seu desejo não foi atendido, mas, por enquanto, isso não o tem afetado dentro das quatro linhas, já que reassumiu seu protagonismo na equipe parisiense, com quatro gols nos últimos cinco confrontos. Os indícios são de um futuro menos turbulento. Bom para Tite e para a seleção brasileira.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.