Especialistas não coroam Robinho

Antes de estrear na equipe profissional, o atacante Robinho, fundamental para o Santos na conquista do título brasileiro, já era comparado ao maior jogador de futebol de todos os tempos. Enquanto a maior parte dos críticos acha precipitada a comparação, alguns não têm receio algum em anunciar o surgimento do novo Rei do Futebol. Nesta terça-feira, Luiz Fernando Verissimo, colunista do jornal O Estado de S. Paulo, afirmou que Robinho é o próprio Atleta do Século. ?Chamem os sacerdotes, é ele de novo. Não outro Pelé. O mesmo Pelé, em outra embalagem.? Robinho já recebeu centenas, milhares de elogios, mas Verissimo é o primeiro a coroá-lo como rei. Precipitação? Talvez. Numa crônica do dia 8 de março de 1958, intitulada ?A Realeza de Pelé?, Nelson Rodrigues elegeu o jovem jogador, de 17 anos, como o personagem da semana e, pela primeira vez na história, chamou o santista de rei. ?O que nós chamamos de realeza é, acima de tudo, um estado de alma. E Pelé leva sobre os demais jogadores uma vantagem considerável ? a de se sentir um rei, da cabeça aos pés?, escreveu. O cronista Armando Nogueira, comedido, diz que Robinho ainda é muito novo, jogou pouco, e tem de fazer muito ainda para provar que pode chegar perto de Pelé. ?Não se pode comparar um jogador com 15 minutos de futebol com outro que fez 15 séculos de futebol.? Para Armando, no entanto, o Pelé que ele conheceu quando tinha 17 anos é bastante parecido com o atual Robinho. ?Fisicamente, esteticamente, o Robinho lembra muito o Pelé.? A diferença, segundo o cronista, é que o jovem santista ?finta mais que dribla?, enquanto o ex-jogador driblava a todo momento. O comentarista esportivo Ruy Carlos Ostermann, da Rádio Gaúcha e do jornal Zero Hora, considera a comparação entre Robinho e Pelé apressada. ?É compulsão nacional a tentativa de reabrigar um gênio?, avalia. Apesar da cautela, Ostermann também está entusiasmado com o futebol do jovem craque. ?Se ele puder nos dar a simples ilusão de que terá trajetória semelhante à de Pelé já será maravilhoso.? Ostermann ressalta que Pelé era completo. ?Ele driblava, chutava com as duas pernas, cabeceava, articulava e fazia gols, muitos gols?, recorda. ?É difícil alguém ter tantas qualidades. Robinho tem algumas, mas não todas.? Pepe e Abel, ex-atletas da época de ouro do Santos, viram de perto a trajetória do Atleta do Século e consideram absurda a comparação. ?Robinho não é Pelé, e nunca vai ser?, diz Pepe. ?A semelhança entre eles é que os dois fazem a diferença dentro de campo, são craques, mas igual ao Pelé não vai ter mais ninguém?, acrescenta Abel. Abel, atual coordenador das categorias de base do Santos, conta que assim como Pelé, Robinho é um jogador que se dedica muito nos treinos, mas que, fisicamente, está bem aquém da força corporal do Rei do Futebol. ?Quando o Pelé começou ele já era forte e foi aprimorando sua força física com o passar do tempo.? Pepe admite que Robinho é um excelente jogador, mas limitado em uma série de quesitos, como cabeceio, chute com a esquerda, etc. Por outro lado, ele recorda que os experientes jogadores do Santos ficaram impressionados com a versatilidade do jovem Edson Arantes do Nascimento, assim que ele se apresentou no clube. ?Ele, garoto, já era perfeito.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.