Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

'Espero que minha carreira continue', diz árbitro do clássico após erro

Thiago Duarte Peixoto é muito criticado após expulsar equivocadamente o volante Gabriel, do Corinthians

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

23 Fevereiro 2017 | 01h57

O árbitro do clássico pelo Campeonato Paulista entre Corinthians e Palmeiras, Thiago Duarte Peixoto, admitiu em entrevista na madrugada desta quinta-feira ter aplicado o cartão amarelo errado no lance da expulsão do corintiano Gabriel, no primeiro tempo. Ao se confundir sobre quem cometeu a infração, ele deu a punição injustamente a outro jogador e revelou o temor de que o episódio atrapalhe a sua carreira.

Peixoto é professor de educação física e tem 38 anos pediu para não ser execrado pelo equívoco. "Espero, com muita fé e com muita força de vontade, poder seguir a minha carreira como segue todo mundo quando comete algum equívoco no trânsito, quando comete um equívoco e não faz um gol, que comete equívoco em uma palavra errada de um jornalista. Não estou querendo justificar. Eu errei. Apliquei o cartão amarelo e vermelho para a pessoa errada. Mas espero do fundo do coração que minha carreira continue", disse.

O lance de equívoco do árbitro foi no primeiro tempo. Peixoto analisou a disputa de bola depois do fim da partida, na Arena Corinthians, e contou que se confundiu sobre qual jogador do Corinthians cometeu falta em Keno, do Palmeiras. Com a decisão equivocada de aplicar advertência para Gabriel, que não estava no lance, acabou por causar a expulsão do volante, pois ele já tinha recebido um outro cartão anteriormente.

O árbitro disse ter se atrapalhado porque no lance da falta, o corintiano Maycon puxa a camisa de Keno, que ao cair, recebe uma entrada de carrinho do zagueiro Pablo. "No momento que o zagueiro puxa, tem um jogador, se não me engano, o Pablo, dá uma chegada dura por baixo, que me deixa preocupado. Quando eu levanto a cabeça, vejo o Gabriel na minha frente. Erro? Sim, um erro. Mas aquilo me influenciou na decisão de olhar para ele e dar o cartão, digo, erroneamente, para o Gabriel", explicou.

Nos minutos seguintes à decisão, o banco do Corinthians se revoltou e reclamou muito. O conjunto de árbitros conversou sobre o cartão e Peixoto ouviu dos assistentes questionamentos, mas não se sentiu seguro em repensar a aplicação do cartão. A expulsão a Gabriel dificultou bastante a partida do time da casa, que atuou com a menos e ganhou com um gol no fim, marcado por Jô.

"O que foi questionado com os assistentes é que eles ficaram preocupados achando que eu dei a falta por baixo, a do Pablo, zagueiro, e não foi essa falta que eu dei. Eu marquei a falta por puxão, do Maycon, e dei cartão para o Gabriel, erroneamente. Ninguém tinha a informação exata", explicou Peixoto, que pelo erro, chorou e ficou muito abalado.

O árbitro pediu para ser perdoado pela falha. "Já deve ter marcado a minha carreira. Eu escolhi ser árbitro de futebol, escolhi isso para a minha vida, tenho que estar preparado tanto para os erros, como para os acertos. Se a comissão confiou em mim para estar aqui, é porque eu merecia. Espero que eu continue a minha carreira. Sim, é um aprendizado, difícil errar em um clássico, difícil errar em um jogo de uma importância dessa, mas foi o que escolhi para mim", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.