Espinosa: acaba estilo durão na lusa

A diretoria da Portuguesa trabalhou rápido e hoje, apresentou Valdir Espinosa, o novo técnico da equipe, que substituirá Candinho, no Torneio Rio-São Paulo e a Copa do Brasil. E o novo treinador chegou ao Canindé bastante elogiado, com status de "um dos melhores do Brasil dentro das quatro linhas", como definiu o presidente do clube, Joaquim Alves Heleno. Foi apresentado, também, Rivellino Cerpa Espinosa, filho do treinador e que desempenhará a função de auxiliar-técnico. "Venho dar uma parcela de colaboração, assim como todos os jogadores devem provar sua real capacidade. Desta forma, chegaremos às conquistas", disse Espinosa. "E todas as idéias, erradas ou não, serão utilizadas. Quero a participação de todos." Com frases filosóficas, tratou de erguer o moral de seus comandados, um pouco abatido após a derrota para o Corinthians. "As vezes, a verdade tornasse uma grande mentira. Não existem times ruins ou muito bons e isso o dia-a-dia irá provar. Já vi muitas equipes sem charme, no papel, ser campeã." O treinador, de fala mansa e adorador do bom diálogo com seus atletas, abre mão do estilo durão e trás na mala, em sua segunda passagem pelo clube, um grande objetivo, a conquista de um título. "Temos um grande desafio e estou motivado para dar a resposta que todos esperam", garantiu ele, que em 89 acabou com o jejum de títulos do Botafogo, ao conquistar o Campeonato Carioca. A Lusa não ganha um torneio profissional desde 1973. Espinosa trabalhou na Lusa no primeiro semestre de 96. Apesar da política de pés no chão, sem grandes investimentos, Alves Heleno adota o discurso otimista. "Somos uma equipe grande, com elenco para disputar títulos, não para ficar entre os últimos. "

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.