Espinosa chega e Braga rouba a cena

O presidente Marcio Braga roubou a cena na apresentação do técnico Valdir Espinosa, hoje, na Gávea. Ele admitiu, sem meias palavras, ter sido voto vencido na escolha do novo treinador do Flamengo. ?Confesso que a minha simpatia era pelo Abel Braga (ex-técnico do Fluminense), mas você, por maioria, foi escolhido?. Em seguida, para completar o mal-estar, ele mandou um recado para Valdir Espinosa. ?Isso aqui é um caldeirão, um vulcão. Às vezes ele entra até em erupção?. O novo treinador levou tudo numa boa, mas deixou bem claro que não foi contratado por acaso. ?Não é de hoje que estou preparado para assumir o Flamengo. São 25 anos como treinador. Todo mundo queria estar no meu lugar. A responsabilidade é grande, mas não assusta?, declarou Valdir Espinosa, de 58 anos, cujos títulos mais expressivos de sua carreira são a Taça Libertadores e o Mundial Interclubes, ambos em 1983, pelo Grêmio. Antes de apresentar o novo treinador, o presidente anunciou a vinda de mais um dirigente remunerado para o futebol do Flamengo (Eduardo Manhães, novo diretor de futebol) e a compra de 40% dos direitos federativos do atacante César Ramirez. O paraguaio assinou contrato por mais três temporadas. Marcio Braga deixou a entender que se o ex-presidente Kléber Leite quiser continuará tendo carta branca em 2006. Ele recentemente recusou o cargo de vice-presidente de Futebol do clube para não abandonar ?seus negócios?. ?Peço publicamente que continue colaborando com o futebol do Flamengo. Você (Kléber Leite) pode atropelar, passar por cima?. Junto com Valdir Espinosa, o meia-atacante Toró também vestiu a camisa rubro-negra e posou para fotos. Revelado nas categorias de base do Fluminense, o jogador deixou as origens de lado para construir sua carreira no rival. Marcio Braga o chamou de craque e espera que ele seja o substituto do Zico, maior ídolo do clube. ?Espero que você repita o que o Zico fez?. O jogador, de 19 anos, ouviu em silêncio as palavras do dirigente. ?Sou um cara movido à injeção de ânimo, vou dar a minha vida pelo Flamengo e minha escolha, se Deus quiser, vai dar certo?, disse, logo depois. Toró quase cometeu uma gafe ao ser indagado sobre a razão pela qual não aprovou no Fluminense. ?O grupo do Fluminense era qualificado, quase não tive oportunidade. Mas o elenco do Flamengo também é bom e lutarei por vaga?, corrigiu a tempo.

Agencia Estado,

09 de dezembro de 2005 | 18h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.