Wilton Junior / Estadão
Wilton Junior / Estadão

Esquema de segurança afasta torcida do Flamengo do último treino antes de ida ao Mundial

Diferentemente da final da Libertadores, a aglomeração de torcedores foi bem menor no Ninho do Urubu

Marcio Dolzan / Rio, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2019 | 11h51

Com portões fechados, o Flamengo fez na manhã desta sexta-feira o último treino no Brasil antes da disputa do Mundial de Clubes. A delegação rubro-negra embarca para o Catar à tarde, em voo fretado.

Diferentemente do visto antes do embarque para Lima, no mês passado, quando o Flamengo disputou a final da Libertadores, a aglomeração de torcedores foi bem menor no entorno do Ninho do Urubu, o CT do clube em Vargem Grande. Cerca de 50 torcedores estiveram no local - número próximo ao de ambulantes, que esperavam faturar com uma eventual festa dos flamenguistas. 

O baixo número de torcedores é reflexo do esquema de segurança montado para evitar tumultos. A Estrada dos Bandeirantes, que passa em frente ao CT, conta com bloqueios em vários de seus acessos. Equipes da Polícia Militar, da Guarda Municipal e seguranças privados fazem proteção e impedem qualquer aproximação à entrada do CT.

Esquema semelhante foi montado nos acessos ao Aeroporto do Galeão, na Ilha  do Governador. No mês passado, um tumulto com flamenguistas fez com a Polícia Militar usasse bombas de gás para dispersar a multidão.

Em nota, o Flamengo agradeceu o apoio que tem recebido dos torcedores, mas pediu que "os torcedores não se aglomerem nas imediações do Ninho do Urubu e do aeroporto do Galeão". Segundo o clube, "qualquer interferência nas vias poderá atrasar o deslocamento da delegação e a programação dos atletas, já que se trata de um dia útil".

O Flamengo vai estrear no Mundial de Clubes da Fifa na próxima terça-feira, dia 17, às 14h30 (horário de Brasília), no Estádio Khalifa, em Doha, contra o vencedor de Al-Hilal x Espérance. As duas equipes duelam sábado pelas quartas de final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.