Esquema de segurança para o clássico

A Polícia Militar montou um forte esquema de segurança para o clássico entre Santos e Palmeiras, domingo, às 14h, na Vila Belmiro, para evitar a repetição de incidentes como a emboscada à delegação corintiana, após um jogo na Baixada, e a morte de um torcedor são-paulino no confronto de torcidas, na Rodovia dos Imigrantes, região de São Bernardo, no retorno à Capital. Aproximadamente 150 homens vão trabalhar dentro e nas cercanias do estádio. "Não temos por norma informar o número de policiais destacados para esse tipo de operação, mas com certeza serão mais de 100 homens", garante a tenente-PM Rita, do comando do 21º Batalhão da Polícia Militar-Interior, lembrando que boa parte do efetivo da corporação na Baixada Santista está trabalhando na greve dos portuários e provavelmente sejam suspensas as folgas para não comprometer o policiamento no clássico. O esquema de segurança será implantado a partir das 8h do domingo, quando policiais da Companhia de Engenharia e Trâfego vão interditar as ruas vizinhas à Vila Belmiro, só permitindo a circulação de moradores. A operação terá também a participação da Polícia Rodoviária, a quem caberá a escolta da delegação do Palmeiras e dos ônibus de torcidas organizadas no trecho de planalto da Imigrantes e na Serra, até divisa de Santos com Cubatão, onde a PM da Baixada assume o comando da operação. Terminado o jogo, os ônibus da delegação do Palmeiras e dos torcedores serão escoltados até o início da Imigrantes. De lá para frente, a Polícia Rodoviária se encarregará da segurança até a chegada à Capital. Com o retorno de Rincón, parte da torcida passou a acreditar novamente no time. Em conseqüência, foi considerado bom o movimento na venda de ingressos, hoje, na Vila Belmiro. As cadeiras cobertas laterais custam R$ 20,00, as descobertas R$ 15,00, as arquibancadas superiores R$ 10,00 (R$ 5,00 para estudantes) e as inferiores R$ 5,00 (R$3,00 para estudantes). A torcida do Palmeiras ficará na arquibancada atrás do gol dos fundos do estádio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.