Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Esquema do clássico no Itaquerão tem 425 policiais militares

Número é maior do que o usado em outros clássicos: Palmeiras x Corinthians, há uma semana e meia, contou com 300 oficiais

GONÇALO JUNIOR, Estadão Conteúdo

18 de fevereiro de 2015 | 17h25

A Polícia Militar vai utilizar 425 profissionais para garantir a segurança no clássico entre Corinthians e São Paulo, no Itaquerão, nesta quarta-feira, pela Libertadores. A segurança será realizada pelo policiamento de área, trânsito, cavalaria, Força Tática e o 2º Batalhão de Choque, que realizará o policiamento interno do estádio, totalizando 425 policiais militares. A informação é do Comando do Segundo Batalhão de Polícia de Choque.

O número é bastante superior ao utilizado normalmente nos grandes jogos - a partida entre Palmeiras e Corinthians, por exemplo, no Allianz Parque, pelo Campeonato Paulista, teve policiamento de 300 homens.

Além do reforço da segurança nas estações de acesso ao Metrô e CPTM, principalmente na estação da Luz, opção principal dos torcedores que vão utilizar o transporte público na ida ao clássico, homens da ROCAM (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) farão a escolta dos são-paulinos que vão nos ônibus oferecidos pelo clube, que sairão do Largo do Paissandu, na região central da cidade, por volta das 19h. A diretoria do São Paulo decidiu alugar 60 ônibus para transportar 1800 torcedores organizados para contornar o problema do retorno da torcida, que não teria opções de transporte público depois do final da partida.

O esquema de segurança definido pela PM prevê que a torcida do São Paulo ficará pelo menos uma hora dentro do estádio após o término da partida, o que significaria, a grosso modo, uma hora da manhã. Isso inviabiliza o uso do transporte coletivo: as catracas do Metrô funcionam até 0h30 (horário especial para jogos de futebol) e a entrada para os trens da CPTM fechará à meia-noite. No retorno, os ônibus também serão escoltados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.