Esquenta a briga pelo gol no Corinthians

Na segunda-feira, Geninho vai ganhar uma grande dor de cabeça. A suspensão de 40 dias imposta pelo STJD termina no domingo e o técnico vai ter que decidir, entre Rubinho e Doni, quem será o goleiro titular do Corinthians a partir da próxima semana.Preocupado com o seu futuro, na semana passada Doni já mandou o seu recado ao treinador. "Não saí por deficiência técnica. Vinha muito bem, defendendo vários pênaltis. Acho que seria o normal seria voltar como titular", disse o goleiro.Aos que defendem a permanência de Rubinho como titular, por sua bela seqüência de jogos, Doni também é bem direto. "O Corinthians tem dois grandes goleiros, mas é como eu disse. Nem penso na hipótese de não voltar como titular."Geninho já percebeu que não será fácil administrar a questão. O técnico não tem do que se queixar de Rubinho. Ele levou 11 gols em 10 jogos disputados como titular. Falha mesmo, nenhuma. "Só bobeei no gol do Tucho, contra o Atlético-MG. Não acompanhei a bola. Ela bateu na trave, depois na minha cabeça e entrou", lembrou o goleiro.Em compensação, Rubinho salvou o time com grandes defesas naquele mesmo jogo contra o Atlético e depois, repetiu a façanha no empate por 2 a 2 contra o Paysandu, em Belém do Pará.As boas atuações de Rubinho também enterraram de uma vez por todas a desconfiança da torcida, o que pode ser mais um ponto a seu favor quando Geninho for escolher o goleiro titular.Depois que Doni reivindicou publicamente a posição de titular na volta da suspensão, o clima entre os dois goleiros ficou meio tenso. Rubinho não foi tão direto quanto o companheiro, mas já mandou uma resposta. "O Doni pode falar o que quiser. Quem vai escolher o goleiro titular é o Geninho."Na última terça-feira, o treinador corintiano teve dificuldades para falar sobre o caso. Fez elogios aos dois goleiros, mas não admitiu nenhum tipo de comparação. "Cada um tem o seu estilo. Quem ganha com isso é o Corinthians e o seu treinador, que podem contar com dois grandes goleiros."Até para falar bem de Rubinho o treinador do Corinthians sabe que precisa pensar duas vezes. Se elogiar muito o seu desempenho, pode virar um contra-senso se tiver de sacá-lo da equipe. "De fato, ele tem jogado muito bem", afirmou. O mesmo cuidado ele tem na hora de falar alguma coisa sobre os seus dois goleiros. "Tenho confiança em ambos. Não digo isso agora. Desde o começo do ano, quando muita gente pedia a contratação de um goleiro mais experiente, eu sempre disse que o Corinthians tinha dois grandes goleiros."De uma parte, o técnico admite que Rubinho pode levar alguma vantagem em sua decisão pelo fato de estar em ritmo de jogo. "Quem está jogando leva uma pequena vantagem, mas não podemos esquecer que ainda temos dois jogos até o final da semana", alertou Geninho, ainda na terça-feira.Por outro lado, Geninho lembra que o time passou a levar muitos gols de bola parada com Rubinho no gol. O técnico não responsabiliza o goleiro por isso, mas lembra que os números são exagerados. "Sofrer quatro gols de bola parada em cinco jogos é muita coisa", reconheceu.A decisão do técnico só será conhecida no outro domingo, quando o Corinthians enfrentar o Flamengo, no Maracanã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.