Esse é o meu futebol, garante Pedrinho

O contrato de Pedrinho termina no fim do semestre. Vários conselheiros influentes ligados ao novo presidente, Affonso Della Monica, o queriam ver fora do Palmeiras. Em jantares informais, costumam usar um cruel apelido ao meia por causa das seguidas contusões: "Podrinho". Só que o próprio jogador acredita que, depois do clássico deste domingo, seu futuro será diferente.Agência Estado - Você marcou dois gols, foi festejado pelo grupo, mas dá para esquecer a dúvida que marca sua presença no Palmeiras?Pedrinho - Não. Fiz os gols, estou feliz, mas não esqueço da maldade com que me perseguem. Se tenho uma gripe. dizem que é o meu joelho, me chamam de podre, são pessoas que nem levo em consideração. O meu futebol é o que mostrei hoje.AE - Tem a ver com seus joelhos?Não. Está vendo como as pessoas só pensam nas contusões? No dia em que meu filho nasceu, o meu pai foi internado na UTI com enfisema pulmonar. Eu que tive de administrar. Não é fácil.AE - Falando sobre o clássico. Qual a sensação de ter dado a vitória ao Palmeiras contra o Santos?Não quero o mérito sozinho. Consegui aproveitar bem o espaço deixado pelo Santos. Todos venceram, fomos todos.AE - Quando você soube que iria entrar na partida?Foi na sexta à tarde. O Candinho me disse que, sem o Magrão e o Diego Souza, precisaria de mim. Fiquei tão feliz que nem dormi na noite do sábado. Só pensava em jogar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.