Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Estádio da estreia do Brasil tem polêmica e imbróglio judicial

Prefeitura de Temuco terá que indenizar construtora em R$ 7,5 mi

ALMIR LEITE E GONÇALO JUNIOR, O Estado de S. Paulo

14 de junho de 2015 | 11h17

O estádio Germán Becker, onde o Brasil enfrenta o Peru neste domingo na estreia na Copa América, está envolvido em uma polêmica que já dura quase sete anos e deve causar prejuízos à cidade de Temuco. Isso porque a prefeitura acaba de ser condenada a pagar indenização de cerca de R$ 7,5 milhões a uma construtora, numa ação por não cumprimento de contrato nas obras da reforma do estádio, ocorrida em 2008.

A reforma ocorreu para que o estádio pudesse sediar o Mundial Feminino Sub-20. A Fifa exigiu várias mudanças e a prefeitura acabou por contratar a empresa Socovesa, sem licitação, depois de dois processos licitatórios frustrados. Mas a competição chegou e várias das intervenções contratadas não foram entregues. Isso motivou a ação judicial que se arrasta até os dias atuais e que teve em maio sentença em primeira instância.

De acordo com a sentença judicial, a construtora não cumpriu o contrato porque recebeu um estudo de solo distante da realidade - pelo estudo, as fundações seriam feitas a uma profundidade entre 5 e 5,6 metros, mas foi necessário perfurar entre 7 e 10 metros -, o que fez com que elaborasse um orçamento menor do que o real valor que custaria a reforma. Além disso, a prefeitura atrasou pagamentos, o que deixou a construtora sem condições de honrar todos os itens que haviam sido contratados.

Entre as intervenções não realizadas estão várias obras na área de imprensa e no banco de reservas. E o juiz responsável pela decisão também isentou a construtora de responsabilidade pela qualidade da drenagem do gramado, considerada ruim, uma vez que no contrato não havia obrigação da empresa de trabalhar nesse item.

O diretor da administração municipal de Temuco (cargo semelhante ao de secretário de governo), disse ao jornal local El Austral que a prefeitura recorrerá da decisão, por considerar que as obras não realizadas foram responsabilidade da construtora. Já o conselheiro municipal, Juan Aceitón, afirmou que a população é que pagará a conta se a condenação foi mantida em instâncias superiores. "É muito dinheiro, se tivermos que pagar isso são os munícipes que sairão perdendo."

O estádio Germán Becker é municipal. Foi inaugurado em 13 de agosto de 1965, com capacidade para 20.930 pessoas (Temuco tem, hoje, cerca de 250 mil habitantes). "Ganhou" o nome de seu idealizador em 1993. Germán Becker é pai do atual prefeito, Miguel Becker. Na reforma de 2008, o estádio passou a ter capacidade oficial de 18.125 torcedores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.