Estádio de Port Elizabeth pode virar 'elefante branco'

O Estádio Nelson Mandela Bay pode se tornar um "elefante branco" quando a Copa do Mundo terminar, depois que o clube de Port Elizabeth faliu e foi vendido para investidores de fora da cidade. Sipho Pityana, atual proprietário da equipe, disse nesta segunda-feira que os novos compradores podem mudar a sede do time.

AE-AP, Agência Estado

28 de junho de 2010 | 09h22

Lungsi Mooi, gerente-geral do Bay United Football Club, explicou que cerca de 30 jogadores e dez funcionários podem perder o emprego se a equipe da primeira divisão sul-africana mudar de cidade. "Eu não tenho nenhuma dúvida de que sem uma equipe profissional na província, o estádio vai se tornar um elefante branco", afirmou.

O estádio, que tem capacidade para 42.486 torcedores, foi construído especialmente para a Copa do Mundo, e custou US$ 159 milhões. Oficialmente inaugurado no final de fevereiro, o estádio já sediou dois jogos internacionais de rúgbi. O estádio não está configurado para críquete, mas somente para futebol e rúgbi, e, potencialmente, shows continuam como opções para manter o estádio viável.

O Nelson Mandela Bay já sediou seis jogos da Copa do Mundo e receberá ainda um duelo pelas quartas de final, na sexta-feira, que pode envolver o Brasil, e a disputa de terceiro lugar no dia 10 de julho. E Port Elizabeth registrou alguns dos menores públicos da Copa do Mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.