Eduardo Martino/Divulgação
Eduardo Martino/Divulgação

Estádio de Recife preocupa governo e pode ser cortado da Copa das Confederações

Arena Pernambuco está atrasada, com apenas 43% de sua obra construída, mas a promessa é de entrega no prazo

Reuters

21 de agosto de 2012 | 15h20

RIO - O atraso nas obras do estádio de Recife ainda compromete a participação da cidade na Copa das Confederações e ela pode ser cortada quando a Fifa e o governo fizerem uma avaliação do andamento dos preparativos nas seis sedes do torneio preparatório para o Mundial de 2014, em novembro, disse o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, nesta terça-feira.

A Arena Pernambuco, que está sendo construída na Grande Recife, foi incluída pela Fifa como sede da Copa das Confederações de 2013 ao lado de Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Salvador e Rio de Janeiro.

No entanto, a Fifa estabeleceu o mês de novembro como limite para a decisão final sobre o número de sedes, dependendo do andamento dos preparativos nas cidades. A federação inclusive preparou tabelas alternativas para realizar a competição também com quatro ou cinco sedes.

"Há um acaso que é a arena de Pernambuco e nós e a Fifa temos até novembro para uma definição", disse Aldo Rebelo a jornalistas em evento na favela da Mangueira, sobre a permanência ou não da cidade na Copa das Confederações, que vai de 15 a 30 de junho de 2013.

"O governo de Pernambuco e o consórcio estão fazendo todo o esforço para a Copa das Confederações e estou muito otimista", acrescentou o ministro.

De acordo com o site da construtora Odebrecht, responsável pela arena, a obra está 43% concluída no estádio, que terá 46 mil lugares e custo de R$ 479 milhões. As obras foram iniciadas em outubro de 2010.

Além do estádio, Recife enfrenta desafios nas áreas de urbanização, infraestrutura e logística até o evento em 2013.

Um balanço do governo federal feito em maio mostrou que de todas as obras planejadas para a Copa do Mundo de 2014, quase 41 por cento ainda não tinham saído do papel e só 5 de 101 empreendimentos listados como obras da Copa pelo governo estavam prontos.

Os atrasos estão concentrados na área de infraestrutura, que sempre foi o ponto de maior preocupação da Fifa com a preparação do País para a Copa. Os 12 estádios estão com obras em andamento e consideradas dentro do cronograma para o Mundial.

Segundo Aldo, as outras sedes da Copa das Confederações "estão dentro do prazo e cumprindo o cronograma".

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.