Estádio do Palmeiras vai ter vestiário com estrutura de primeira

Allianz Parque contará também com um gramado do nível dos que serão usados na Copa

Daniel Batista e Luiz Antônio Prósperi, O Estado de S.Paulo

01 Maio 2014 | 07h55

SÃO PAULO - Para qualquer jogador de futebol que se preze, o vestiário e o gramado são coisas “sagradas”, e na Allianz Parque, futura casa do Palmeiras, não será diferente. O local onde a equipe se prepara para as partidas – e onde muitas vezes os atletas resolvem suas diferenças – terá estrutura extraordinária, assim como o campo, que não poderá ser usado como desculpa por nenhum jogador, pois terá uma qualidade "padrão Fifa".

O Estado teve acesso a imagens em 3D do vestiário da Allianz Parque e também do processo para levar o gramado à arena, que já tem 87% da construção finalizada – está mantida a previsão de conclusão até o fim do mês de julho.

O estádio terá dois vestiários bastante parecidos. O do Palmeiras terá 355m² e o dos visitantes, 270m². As cores serão verde, branca e cinza, esta servindo para amenizar o contraste. O projeto do local foi feito pela empresa Triplex. Um fato curioso é que o desenho criado pela empresa usou três jogadores como "modelos" e dois deles já não está mais no clube, casos dos zagueiros Maurício Ramos e Henrique. O outro jogador é o volante Marcelo Oliveira.

Cada jogador terá um armário de madeira com sua foto, o local contará com duas divisórias e o piso será emborrachado na cor verde, o que permitirá aos atletas se movimentar sem o risco de escorregar. Ele terá ainda um armário "comunitário", onde será possível guardar coisas em grande quantidade, como os coletes dos atletas. Um frigobar e uma lousa branca com TV para o treinador orientar os seus atletas também serão instalados no vestiário.

Na área de aquecimento dos jogadores, será usada grama sintética e as paredes serão revestidas com placas emborrachadas, que facilitarão a limpeza do local. Os banheiros, por sua vez, terão o piso revestido em porcelanato cinza e será utilizada a pedra natural Hijau Lisa verde, além de sensores que evitam o desperdício de água. Uma sala de massagem também será instalada, com duas grandes banheiras de hidromassagem e uma individual para imersão.

GRAMADO DE PRIMEIRA

Na semana passada, foi realizado o primeiro teste para a colheita da grama que será usada no estádio. O gramado, que terá 9 mil m², está plantado no interior do Rio Grande do Sul.

O campo será cortado em rolos, como se fossem tapetes, que terão 1,20m de largura por 15m de comprimento e vão ser transportados de caminhão do Sul até o estádio. A WTorre aguarda apenas a chegada dos refletores que ficarão direcionados ao gramado – foram comprados fora do Brasil – para começar a trazer a grama, que durante o teste mostrou estar livre de ervas e insetos, fato fundamental para o transporte e a boa colocação da grama no estádio. A expectativa é que o processo tenha início em um mês.

A tubulação para a drenagem já está sendo produzida e o local onde será colocado a grama, que até pouco tempo atrás servia como um canteiro de obras, está recebendo areia e diversos produtos que precisam ser colocados para o gramado ser instalado sem problemas.

A empresa responsável pelo trabalho é a World Sports, a mesma que cuida de diversos gramados pelo Brasil, entre eles os da Arena Corinthians, da Arena Pantanal e do Beira-Rio, estádios que vão receber jogos da Copa do Mundo.

A grama escolhida para a nova casa palmeirense foi a bermuda Tifgrand, considerada uma das mais resistentes para estádios com sombreamento. Vale lembrar que a arena terá cobertura nas arquibancadas.

Já foram instaladas as estruturas dos dois telões direcionados aos torcedores e o acabamento externo da arena está sendo feito, tanto que da Rua Padre Antônio Tomás, uma das vias que circundam o Palmeiras, já é possível ver as placas de inox que vão incrementar o visual do estádio.

Os 43.603 assentos devem começar a ser instalados na semana que vem. Algumas partes das cadeiras já estão na arena, como os braços, que serão verdes. No projeto inicial, eles seriam pretos, mas a WTorre pediu que fosse feita a alteração, pois a ideia é que tudo no estádio seja verde e branco. E, além disso, o preto poderia ser associado ao Corinthians.

A briga pela venda das cadeiras ainda não terminou e a Câmara de Arbitragem da Fundação Getúlio Vargas analisa quem tem razão. A WTorre diz que é responsável por vender todos os lugares do estádio, enquanto o Palmeiras afirma que a construtora tem direito a apenas dez mil cadeiras.

Mais conteúdo sobre:
PalmeirasFutebolAllianz Parque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.