Estádio Jalisco marca carreira de Leão

O México, mais precisamente o Jalisco, em Guadalajara, está se tornando um marco na vida de Emerson Leão. Foi neste estádio que ele viu o Brasil dar a arrancada rumo ao tricampeonato mundial. Era o reserva de Félix na Copa de 70, mesmo estando em início de carreira. Foi no Jalisco que ele vestiu a camisa da seleção pela última vez, na Copa de 86, um ano antes de pendurar as chuteiras. Também não teve a sorte de ser titular. Passados 15 anos, ele volta ao local bem no início de sua vida como treinador da seleção. Será no Jalisco, quarta-feira, contra o México, que dirigirá apenas pela 3ª vez o time.Leão lamenta não ter podido atuar em nenhuma partida de Copa do Mundo no Jalisco. "Fomos muito felizes em 70, mas, infelizmente, eu não joguei". Ele teve, porém, o ?gostinho? de defender a seleção em 76, num amistoso contra o México. "É um lugar que me traz recordações. Será bom para Brasil e México jogar neste estádio." O estádio de Guadalajara, com capacidade para 75 mil pessoas e razoavelmente bem conservado, não traz boas lembranças apenas para o treinador, mas para um ídolo do futebol mundial, o meia Rivaldo. Antes mesmo de ser perguntado, o jogador se antecipou e disse ser "legal" jogar um amistoso no local. "Foi aqui que eu marquei o primeiro gol com a camisa da seleção, logo na minha estréia, em amistoso contra o México", contou. O gol teve valor ainda maior porque a vitória do Brasil foi por apenas 1 a 0.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.