Staff Images
O Maracanã é o terceiro ponto turístico mais visitado do Rio de Janeiro, atrás do Cristo Redentor e do Pão de Açúcar Staff Images

Estádios se firmam como pontos turísticos

Maracanã e Allianz Parque atraem cada vez mais visitantes

Gonçalo Junior , O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2015 | 17h00

Mesmo com o sol de rachar mamona na quinta-feira, o publicitário Rafael Anias deixou a litorânea Bertioga e subiu a serra. Em sua opinião, valeu a pena fazer a rota contrária dos turistas e conhecer o Allianz Parque. “Eu me sinto honrado de estar no estádio”. Os relatos de viagem de Rafael já não são tão absurdos, e os estádios começam a entrar na lista dos pontos turísticos de cada cidade. 

O Maracanã é o caso mais concreto. O estádio é o terceiro ponto turístico mais visitado do Rio, atrás do Cristo Redentor e do Pão de Açúcar. Em 2015, mais de 240 mil pessoas já visitaram o estádio mais famoso do Brasil, com um aumento de 15% depois da Copa do Mundo. “Existe um interesse grande para conhecer os bastidores e áreas exclusivas”, conta Viviane Campano, diretora de Eventos do Maracanã. 

Os números de visitação desmentem a ideia de que só os estrangeiros visitam a arena carioca. Em 2015, o porcentual de brasileiros que vão ao Maraca gira em torno de 60 a 70%. No Rio Grande do Sul, a Arena Grêmio superou o interesse inicial após a reforma e continua com média mensal de cinco mil visitantes.

Sem a vocação turística dos vizinhos, as arenas paulistas têm números mais modestos. O interesse pela nova casa do Palmeiras já atraiu 28 mil visitantes neste ano, são mais de dois mil por mês. O advogado Fernando Maldonado (corintiano) foi ao Allianz acompanhar a namorada (palmeirense). “Quem vem a São Paulo tem curiosidade de conhecer os estádios. A rivalidade não importa, mas depois ela vai comigo à Itaquera”, jura o paranaense. 

Maldonado vai demorar para dar o troco, porque a Arena Corinthians não tem um tour. Lucio Blanco, gerente de Operações, explica que o clube aguarda a finalização das obras para começar a receber seus fãs. Isso deve acontecer ainda este ano. 

O Morumbi recebe mil a dois mil visitantes por mês. Na visão de Rogério Botasso, diretor da Passaporte FC, parceira do São Paulo no Morumbi Tour, esses números podem crescer. “São Paulo não é uma cidade turística. Vivemos uma realidade diferente do Rio de Janeiro”, avalia. “Os números estão evoluindo, mas o estado ainda tem um grande potencial”, concorda Bruno Paste, diretor da agência Futebol Tour, parceira do Palmeiras e de mais oito clubes. 

Outra particularidade do mercado paulista é a diferença do preço dos ingressos do tour e do dia de jogos. Enquanto nos outros estados o preço fica elas por elas (cerca de R$ 30), ou até mais barato como na Arena Fonte Nova e na Arena das Dunas (R$ 20), o bolso paulista reclama. O Palmeiras, por exemplo, é dono do maior ticket médio no Campeonato Brasileiro (R$ 70). Visitar o Allianz Parque fora dos dias de jogos sai por menos da metade do preço. 

Os roteiros são bem parecidos em todos os estádios. O tour passa pelas cabines de imprensa, camarotes, cadeiras, sala de coletivas, zona mista, túnel de acesso e banco de reservas. Os pontos altos são o vestiário e, obviamente, o gramado. O percurso guarda algumas surpresas, como a exibição de um vídeo no vestiário e o som da torcida no túnel de acesso. “Fiquei emocionado”, disse Wendel Magalhães, mineiro de Ubá olhando o vazio do estádio do Palmeiras. 

A visita no Maracanã fala com todas as torcidas. Os torcedores encontram a estátua do Zico, artilheiro do estádio com 333 gols, e passa pelos pés do vascaíno Roberto Dinamite. Estão lá também a bola, trave e rede do gol mil de Pelé. No ano que vem, por causa dos Jogos 2016, até os clubes esperam aumentar a visitação. O Fla Experience, visita ao memória de conquistas do Flamengo, espera um crescimento de 200% por causa do aumento do número de turistas na cidade. 

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolBrasileirãoEstádios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Clubes europeus faturam alto com visita da torcida às arenas

Camp Nou recebeu mais de 1,6 milhão de visitantes no ano

Gonçalo Junior e Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2015 | 17h00

Os clubes brasileiros ainda estão engatinhando em relação às visitas guiadas aos estádios na Europa. O Camp Nou Experience, visita às instalações do estádio e ao Museu do Barcelona, recebeu 1.628.418 visitantes no final da temporada 2014/2015. É um recorde europeu. 

O museu do Bayern, localizado no Allianz Arena, é uma das principais atrações de Munique com mais de 2.600 peças.

De acordo como a diretoria do clube, anualmente são cerca de 300 mil visitantes. Com ingressos a €12 (R$ 51), o Erlebniswelt é fonte de renda para o Bayern: por temporada, o clube fatura mais de € 3,6 milhões (R$ 15 milhões) com o museu.

Os rituais também são diferenciados. Em Wembley, por exemplo, em Londres, os visitantes sobem ao gramado perfilados, como fazem os times, com música e tudo. Na América do Sul, o Museu Boquense, do Boca Juniors, 

é um passeio obrigatório para quem vai a Buenos Aires por causa da mística e das históricas que cercam La Bombonera.

  

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolBrasileirãoEstádios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.