Estado de saúde de Pelé evolui e hemodiálise continua suspensa

Estado de saúde de Pelé evolui e hemodiálise continua suspensa

Ex-jogador do Santos e da seleção está internado há uma semana: ele faz tratamento à base de antibióticos e não tem previsão de alta

O Estado de S. Paulo

01 de dezembro de 2014 | 12h30

Internado há uma semana após crise renal, Pelé teve pouca evolução em seu tratamento desde o último domingo. Na manhã desta segunda-feira, a assessoria do Hospital Albert Einstein divulgou boletim médico no qual informa que o Rei do Futebol não irá fazer hemodiálise novamente, mas que continuará sob cuidados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Seu estado de saúde é estável, como foi durante o fim de semana.

"O paciente Edson Arantes do Nascimento evolui bem e permanece sob cuidados na unidade de terapia intensiva. Continua lúcido e estável do ponto de vista hemodinâmico e respiratório", informou o boletim, relatando também que Pelé continua tomando antibióticos. 

Domingo, Pelé deixou de fazer hemodiálise. O tratamento consiste na utilização de um aparelho para filtrar o sangue do paciente. Os médicos do Einstein identificam o processo como "tratamento de suporte renal".

Na manhã do sábado, o hospital já havia informado que o astro continuava em "bola evolução" e também que os exames de sangue e urina aos quais Pelé fora submetido apontaram resultados positivos para a melhora de sua saúde. Antes de iniciar sua evolução gradativa na sexta-feira, um boletim chegou a confirmar, na quinta, que o ex-jogador de 74 anos de idade enfrentava quadro de "instabilidade clínica". O rim do ex-jogador, que teve de tomar remédios mais fortes para tentar combater a bactéria que causou a infecção, começou a falhar devido ao sangue infectado. Ele também precisou receber medicamentos para controlar a pressão arterial.

A infecção, no caso, foi identificada em exame de rotina que Pelé foi submetido dias após a retirada de pedras no rim. Na noite da última segunda-feira, ele foi internado sem previsão de alta e passou a ser medicado com antibióticos. Onze dias antes, Pelé havia retirado cálculos renais.

ÍNTEGRA DO BOLETIM MÉDICO

O paciente Edson Arantes do Nascimento (Pelé) evolui bem e permanece sob cuidados na unidade de terapia intensiva. Continua lúcido e estável do ponto de vista hemodinâmico e respiratório. Considerando os parâmetros clínicos e laboratoriais, hoje não será necessário realizar procedimento de suporte renal. A antibioticoterapia permanece a mesma. O Hospital fornecerá boletim assim que houver nova informação.

Médicos Responsáveis:

Dr. Fabio Nasri

Dr. Marcelo Costa Batista

Diretor Superintendente do Hospital:

Dr. Miguel Cendoroglo Neto

Tudo o que sabemos sobre:
futebolpeléEinstein

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.