"Estamos bem perto", diz Picerni

Nem altitude, nem poluição e nem pressão da torcida. Muito menos a superioridade do América que sentiu na pele a maturidade do São Caetano, que chega à final da Taça Libertadores com muitos méritos. O técnico Jair Picerni concorda com tudo isso e alerta: "Está chegando nossa hora. Agora só falta mais um adversário", brincou, feliz, ainda nos vestiários, após o empate por 1 a 1 que levou o time à final da Libertadores. Após dois vice-campeonatos nacionais, o Azulão sonha com um título. Nada melhor do que o da Libertadores. Mas quem seria melhor pegar na final: Grêmio ou Olímpia, do Paraguai. Depois de ressaltar que "time que pretende ser campeão não pode temer adversário", ele revelou o seu preferido. "O Grêmio é melhor, porque a gente já conhece. O Olímpia é mais desconhecido". Os dois times decidem a vaga nesta quarta-feira à noite, no estádio Olímpico, em Porto Alegre. Independente do adversário, está definido que o São Caetano terá a vantagem de realizar o segundo jogo em casa. Ou melhor, em São Paulo. O regulamento não permite a final num estádio com capacidade inferior a 40 mil torcedores e o Anacleto Campanella, em São Caetano, só comporta 25 mil. Cogitou-se jogar no Pacaembu, um estádio mais confortável, mas a final deve mesmo ser confirmada para o Morumbi. O meia Robert ressaltou que o time obedeceu as orientações do técnico que pediu para que os jogadores tocassem a bola no campo do adversário. "O time todo jogou bem", resumiu. O goleiro Silvio Luiz lembrou também que todos tiveram muita atenção na marcaç ão e ele ficou com as atenções redobradas por causa do gramado escorregadio devido a chuva que caiu antes do jogo. "A bola estava correndo muito, mas não descuidamos um segundo", disse o goleiro. Os jogadores brasileiros vão poder comemorar a conquista da vaga na final conhecendo a capital mexicana. É que o vôo de retorno para o Brasil está previsto para às 21h00 local, duas horas mais tarde no Brasil(Brasília). A chegada no Aeroporto de Cumbica deve ser às 5h00 de quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.