'Estamos colhendo os frutos da dedicação dele', diz preparador

Sérgio Rocha acredita que além de médicos e fisioterapia, cabeça de Paulo Henrique Ganso também o ajudou a recuperar grande fase de outrora

Vanderson Pimentel, O Estado de S. Paulo

20 Setembro 2014 | 17h00

Mesmo sendo a contratação mais cara da história do São Paulo, Paulo Henrique Ganso demorou a causar impacto não só por suas características. Logo depois de chegar ao clube, ao invés de ir ao gramados junto com os outros atletas, o meia tomou o caminho do Reffis, o elogiado centro de recuperação física dos atletas do São Paulo, para curar os problemas crônicos em sua coxa direita.

Se três dias depois do anúncio do acerto Luiz Álvaro de Oliveira Ribeiro havia dito ao Estado que a lesão de Ganso era "incurável", os prognósticos posteriores indicaram que o ex-presidente do Santos estava enganado. Desde que se recuperou, Ganso não teve mais nenhuma lesão que o tirou por muito tempo dos gramados.

E de acordo do preparador físico do São Paulo, Sérgio Rocha, o jogador está 100%. "O trabalho de recuperação foi tranquilo, ele trabalhou direitinho. Ele fez um trabalho de recuperação longo, e agora a gente está colhendo os frutos da dedicação dele. Não tem nenhum tipo de problemas", afirmou.

O funcionário do clube admitiu que para se manter sem lesões, o meia costuma fazer um trabalho constante para não voltar ao departamento médico por muito tempo. "Toda semana o Ganso faz um trabalho de reforço muscular de duas a três vezes por semana no Reffis", disse.

Mesmo assim, Sérgio Rocha acredita que são são apenas méritos do Reffis. Para ele, a recuperação de Ganso é um conjunto de fatores. "Tem o departamento médico, a fisioterapia, a preparação física e o próprio psicológico. Todos esses fatores vêm fazendo com que ele tenha voltado a jogar o futebol que o tornou conhecido no mundo do futebol".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.